Comunicados Zapatistas

Comunicados do novo calendário Zapatista traduzidos colaborativamente para o Português. Apoie você também! Clique na aba "Status das Traduções" e veja no que pode ajudar! Acesse também o site do *Enlace Zapatista* em: http://enlacezapatista.ezln.org.mx/

Home » Articles posted by d-g-s

O que é o CNI?

Retirado de <http://www.congresonacionalindigena.org/o-que-e-o-cni/>. Acesso em: 3/5/17.

O Congresso Nacional Indígena se constituiu no dia 12 de outubro de 1996, almejando ser a casa de todos os povos indígenas, o que quer dizer que é um espaço onde os povos originários encontraremos um espaço de reflexão e de solidariedade para fortalecer nossas lutas de resistência e rebeldia, com nossas próprias formas de organização, de representação e de tomada de decisões, é um espaço dos índios que somos. Somos os povos, nações e tribos originárias desse país México: Amuzgo, Binnizá, Chichimeca, Chinanteco, Chol, Chontal de Oaxaca, Chontal de Tabasco, Coca, Comcac, Cuicateco, Cucapá, Guarijío, Ikoots, Kumiai, Lacandón, Mam, Matlazinca, Maya, Mayo, Mazahua, Mazateco, Mixe, Mixteco, Nahua, Ñahñu/Ñajtho/Ñuhu, Náyeri, Popoluca, Purépecha, Rarámuri, Sayulteco, Tepehua, Tepehuano, Tlapaneco, Tohono Oódham, Tojolabal, Totonaco, Triqui, Tzeltal, Tzotzil, Wixárika, Yaqui, Zoque, Afromestizo e Mestizo.

Que quando dizemos povo o que somos, é porque levamos em nosso sangue, em nossa carne e em nossa pele toda a história, toda a esperança, toda a sabedoria, a cultura, a língua e a identidade. Somos os povos que continuamos sendo apesar dos 5 séculos de extermínio, violência, dominação, expropriação/exclusão do capitalismo e seus aliados dos donos do dinheiro, os representantes da morte. O capitalismo nasceu do
sangue de nossos povos e continua se alimentando dele.

Não esquecemos. Porque esse sangue, essas vidas, essas lutas, essa história são a essência de nossa resistência e da nossa rebeldia, que se fazem autonomias, reivindicações ancestrais de educação, segurança, justiça, espiritualidade, comunicação, autodefesa e autogoverno.

Coletivamente construímos, abraçamos, defendemos e exercemos os acordos de San Andrés Sakamch´en de los Pobres como a constituição de nossos povos, porque representam a única forma de seguir existindo como povos que somos, são o nosso direito a livre determinação e autonomia, o que quer dizer de decidir sobre nossos território, nossas formas de nos organizar coletivamente e a forma que queremos construir nosso futuro.

Os povos que formamos o CNI nos regemos por sete princípios e nosso espaço máximo de decisão é a assembleia geral reunida no congresso, onde todas e todos temos palavra para decidir coletivamente.

1.- Servir e não servir-se.
2.- Construir e não destruir.
3.- Representar e não suplantar.
4.- Convencer e não vencer.
5.- Obedecer e não mandar.
6.- Baixar e não subir.
7.- Propor e não impor.

Em 1998 realizamos nosso II Congresso Nacional Indígena no México Tenochitlán e dissemos: Pela reconstituição integral dos nossos povos pela qual decidimos impulsionar junto aos nossos irmãos do EZLN a Consulta Nacional para o reconhecimento dos direitos dos povos indígenas e pelo fim da guerra de extermínio.

Em 2001, no nosso III Congresso Nacional Indígena realizado em Nurío Michoacán dissemos: pelo reconhecimento constitucional de nossos direitos coletivos e nos somamos a Marcha pela Dignidade Indígena que encabeçaram nossos irmãos do EZLN, onde a voz primeira dos nossos povos e pela voz majoritária da sociedade mexicana se expressou exigindo o tal reconhecimento. Mas a resposta desse mal governo foi a de traição ao aprovar a contrarreforma indígena de 2001, proposta pelo poder executivo, materializada pelo poder legislativo e avalizada pelo poder judiciário, evidenciando que nossa palavra e nosso sentir apenas serviram de piada e de escárnio aos poderosos. Nos demos conta que o tempo de nos virar para cima havia se acabado, que o tempo de olhar para baixo nos sacudia e exigia empreender os passos que a história nos exigia.

No ano de 2006, no IV Congresso Nacional Indígena em San Pedro Atlapulco por meio de muita reflexão decidimos assinar a Sexta Declaração da Selva Lacandona: exercer até a últimas consequências a autonomia nos fazeres e na resistência indígenas.

Mas cientes de que construímos nossas autonomias, o despojo e a guerra de extermínio que foram ficando mais violentos e nossas dores cada vez mais profundas. A guerra quer nos matar como povos e nos matar como indivíduos.

Frente aos despejos que se multiplicam em novas formas e em novos rincões e que trazem tanta morte seguimos sendo os povos vivos e coletivos, os povos dignos com nossas rebeldias e resistências que se fizeram lutas e resistências nas que vemos espelhos que se refletem no espelho que somos.

Esses espelhos são os despejos que sofremos e que vivemos em nossos territórios, são os que nos fazem saber em uma emergência que atenta contra a nossa vida.

Da nossa dor nasceu a nossa raiva, da raiva nossa rebeldia e da rebeldia nascerá a liberdade dos povos do mundo. Porque o coração de nossa mãe terra vive no espírito livre dos nossos povos.

Isso é o que somos, nossa palavra, nosso caminhar e nossa luta irrenunciável, pois somos o Congresso Nacional Indígena e nosso é o futuro de nossos povos.

Conselho Indígena de Governo

Retirado de <http://www.congresonacionalindigena.org/conselho-indigena-de-governo/>. Em 3/5/17.

As experiências coletivas de autonomia, nascidas a partir das resistências e rebeldias que somos, nos ensinaram que o exercício da autonomia nos atos não é apenas uma decisão consequente com a luta de baixo que desde o que somos temos mantido sem vender os objetivos e as causas justas da luta, sem nos render apesar dos tropeços, da repressão, do despejo que não termina, da desqualificação e da divisão. Sem ceder nem sentarmos a descansar porque isso seria esperar nossa morte coletiva.

Essas resistências e rebeldias são formas de governos próprios em cada um de nossos territórios, são trabalhos coletivos, são formas próprias de segurança e de justiça, de agricultura e defesa dos cultivos tradicionais, de formas próprias de educação e de comunicação. Esses modos de consenso, acordos e propostas civilizatórias, regidas pelos 7 princípios que nos regem e nos tem dado resposta precisa aos graves problemas que afligem não somente as nossas regiões mas ao país inteiro, aos povos camponeses não indígenas e as sociedades nas cidades, é nossa proposta para a nação inteira.

A luta do Congresso Nacional Indígena é de baixo, à esquerda e anticapitalista. Nesses tempos onde a hidra capitalista avança e devora tudo o que está ao seu alcance, decidimos que chegou o tempo dos povos, de fazer vibrar esse país com o ladrar do coração da nossa terra mãe. Porque o cuidado com a vida e com a dignidade é nossa obrigação, a que só podemos responder de forma coletiva.

No Quinto Congresso Nacional Indígena realizado no mês de outubro decidimos levar a cabo uma consulta em todos os povos que integram o CNI para decidir se em nossas comunidades se aceitava a proposta emanada do CNI, para formar o Conselho Indígena de Governo (CIG) cuja palavra seja materializada por uma mulher indígena, delegada do CNI como candidata independente que dispute em nome dos povos que integramos o CNI e a sociedade civil o processo eleitoral o ano de 2018 para a presidencia desse país. O resultado da consulta em dezembro de 2016 foi a aprovação da proposta, com a participação de 523 comunidades, de 25 estados do país e de 43 povos indígenas.

Afirmamos que nossa luta não é pelo poder, não o buscamos; mas que chamaremos aos povos originários e a sociedade civil a nos organizar para deter a destruição, fortalecer nossas resistências e rebeldias, que dizer na defesa da vida de cada pessoa, de cada família, coletivo, comunidade ou bairro.

Não nos confundam, não pretendemos competir com os partidos políticos porque não somos o mesmo, não somos suas palavras mentirosas e perversas. Somos a palavra coletiva de baixo e à esquerda, essa que sacode o mundo quando a terra treme com epicentros de autonomia.

Por isso, na próxima assembleia do Congresso Nacional Indígena que será realizada no mês de maio em San Cristobal de las Casas, Chiapas, os povos que integramos o CNI constituiremos o Conselho Indígena de Governo (CIG), como parte dos acordos tomados em dezembro de 2016.

O CIG é a parte medular da proposta que o CNI faz ao país e aos povos indígenas. É a forma de como nos organizaremos nacionalmente a partir de baixo e da esquerda para governar o país, a partir de outra política, a dos povos, a da assembleia, a da participação de todas e todos. É a forma como os povos se organizam para tomar as decisões sobre os assuntos e problemas que nos competem a todas e todos. É outra forma de fazer política, a partir da horizontalidade, desde a análise e a tomada de decisões coletiva.

O CIG se regirá pelos 7 princípios do CNI: Servir e não servir-se, construir e não destruir, obedecer e não mandar, propor e não impor, convencer e não vencer, baixar e não subir, representar e não suplantar.

O CIG estará integrado por conselheiros, uma mulher e um homem de cada língua das diferentes regiões de onde se encontram os povos, tribos e nações que conformam o CNI. Os conselheiros serão eleitos por usos e costumes em suas assembleias e/ou espaços de decisão, que assumirão o compromisso de participar ativamente nesse espaço e de levar até suas assembleias as propostas e ações que emanem do CIG.

O CIG não impulsionará uma candidata mas uma porta-voz. Uma mulher indígena, porque tem sido a discriminada, humilhada, violentada, a mais pobre dos pobres só pelo feito de ser mulher. A mulher indígena que durante séculos não só viveu a violência desse sistema capitalista mas também desse sistema patriarcal que lhe impôs os lugares do silêncio sem voz nem o voto na sua casa e na sua comunidade, da obediência ao homem, da negação a decidir sobre sua vida e sobre seu corpo. Da
superexploração do trabalho sem nenhum pagamento, trabalho que nunca termina porque é a primeira a acordar e a última a dormir. Porque é a que foi carregada com mais pesar, com mais dor de sua gente assassinada, desaparecida, porque é a que viveu na própria carne a violência e o abuso em direção ao seu corpo e a sua sexualidade como parte de uma guerra de extermínio.

Uma mulher indígena que fale língua [indígena], porque é guardiã da sabedoria de sua cultura, dos cuidados de sua família, dos cuidados de seu povo. Guardiã e doadora da vida e de nossa mãe natureza. A filha do coração de cores, a que semeia esperança passo a passo, a que constrói a vida com outras e com outros, a que limpa e cura os corações do ódio e do poder. A que trança em seu cabelo a memória do povo.

Uma mulher indígena que fale a língua e que seja do CNI, porque tem dignidade, porque sabe lutar junto com outras e outros, porque sabe escutar as palavras e os corações, porque sabe tecer unidade com amor, valentia e decisão.

Ela será quem disputará pela Presidência da República. Ela será quem leva a voz do Conselho Indígena de Governo a todo o país, a todo o mundo. Ela será quem leva a voz dos povos e da sociedade civil. Ela será *nosotros*, *nosotras*.

A PRIMEIRA DE VÁRIAS

EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL.

MÉXICO

Março de 2017.

À Sexta no mundo:

Companheiros:

Como havíamos dito que íamos ver o modo de apoiar a vocês para que, por sua vez, apoiem a resistência e a rebeldia daqueles que são perseguidos e separados por muros, já temos um pequeno avance.

Já está pronta a primeira tonelada de café zapatista para a campanha “Frente aos muros do Capital: a resistência, a rebeldia, a solidariedade e o apoio de baixo e à esquerda”.

É café 100 % zapatista.  Cultivado em terras zapatistas por mãos zapatistas; colhido por zapatistas; secado sob o sol zapatista; moído em máquina zapatista; o moinho zapatista estragou por culpa de zapatistas; foi concertado por zapatistas (era uma peça não zapatista); logo empacotado por zapatistas, etiquetado por zapatistas e transportado por zapatistas.

Esta primeira tonelada se conseguiu com a participação dos 5 caracóis, com suas Juntas de Bom Governo, seus MAREZ e os coletivos das comunidades, e já se encontra no CIDECI-UniTierra de San Cristóbal de Las Casas, Chiapas, México rebelde.

Este café zapatista é mais saboroso se se toma lutando.  Aqui deixamos um pequeno vídeo que fizeram os Tercios Compas onde se vê o processo: desde o cafezal, até a cooperativa.

Também já estamos classificando e empacotando as obras com as que participaram l@s zapatistas no passado CompArte, mesmas que também lhes mandaremos para apoiar suas atividades.

Esperamos poder entregar no evento de abril para que já se vá movendo tudo isso aos diferentes cantos do mundo onde há Sexta, ou seja, onde há resistência e rebeldia.

Esperamos que com este primeiro apoio possam iniciar ou continuar seu trabalho de apoio a tod@s @s perseguid@s e discriminad@s do mundo.

Tal vez vocês se preguntem como é que vai chegar isso até seus lugares.  Pois da mesma forma em que se produziu, ou seja, organizando-se.

Ou seja, que se pede que se organizem não só para isso, também e sobre tudo para fazer atividades de apoio a toda essa gente que hoje se encontra perseguida simplesmente por ter uma cor de pele, uma cultura, uma crença, uma origem, uma história, uma vida.

E não é tudo por agora: lembrem sempre que há que resistir, há que rebelar-se, há que lutar, há que organizar-se.

Ah, e preguntamos como se diz isto que queremos dizer, mas de modo que entenda esse:

¡Fuck Trump!

(e de uma vez os demais também –ou seja, os Peña Nieto, Macri, Temer, Rajoy, Putin, Merkel, May, Le Pen, Berlusconi, Jinping, Netanyahu, al-Ásad, e aí agreguem como se chame ou como vai chamar o muro que se tenha que derrubar, de modo que todos os muros recebam a mensagem-).

(Ou seja, que é a primeira de várias toneladas e a primeira de várias mentadas -que não são de menta-).

Desde as montanhas do Sudoeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Moisés.             Subcomandante Insurgente Galeano.

México, março de 2017.


O vídeo dos tercios compas que acompanha o comunicado. Com a canção “Somos sur”, letra e música de Ana Tijoux, acompanha Shadia Mansour

UMA HISTÓRIA PARA TRATAR DE ENTENDER

17 de novembro de 2016.

À Sexta nacional e internacional:

A quem simpatiza e apoia a luta dos povos originários:

A quem é anticapitalista:

Companheiras, companheiros, companheiroas:

Irmãs e irmãos:

Fizemos este extenso texto conjuntamente com o Subcomandante Insurgente Moisés, porta voz e atual chefe do EZLN, e consultando alguns detalhes com algumas das Comandantas e Comandantes da delegação zapatista que participaram da primeira etapa do V congresso do Congresso Nacional Indígena.

Embora nesta, como em outras ocasiões, coube a mim a elaboração, é o Subcomandante Insurgente Moisés quem lê, agrega ou tira, aprova ou rejeita não só este texto, mas todos os que aparecem à luz pública como autênticos do EZLN. Não poucas vezes, ao longo destes escritos, usarei o primeiro pronome do singular. A razão disto se entenderá mais adiante. Embora o destino principal destas linhas seja a Sexta, decidimos ampliar seu destino a quem, sem ser nem estar conosco, tem idênticas inquietudes e parecido empenho. Portanto:

-*-

TAMPOUCO NOSSOS PESADELOS

Há alguns anos, a criatividade e a inteligência de algum coletivo da Sexta produziu uma frase que, com o passar do tempo, foi atribuída ao zapatismo. Bem sabem que somos contra o copyright, mas não costumamos atribuir-nos nem palavras nem ações que não são nossas. No entanto, embora não seja de nossa autoria, a frase sim reflete em parte nosso sentir como zapatistas que somos.

Erguida pela Sexta contra quem, com chantagens grosseiras e ameaças, atacava (como agora) ao ceticismo frente ao “poder” das urnas eleitorais institucionais, a frase vai mais além e define os limites e carências de uma forma de luta, a eleitoral:

“Nossos sonhos não cabem em suas urnas”, se dizia e se diz.

Nós, como zapatistas que somos, a ratificamos na época… e agora. Tem a virtude de dizer muito com poucas palavras (uma arte agora esquecida). Mas, desde este lado do pasamontanha, desde nosso ser que somos, acrescentamos: “tampouco nossos pesadelos”.

Por certo, podíamos ter posto “e tampouco noss@s mort@s”, mas resulta que, nestes tempos fatídicos, a dor se estendeu ainda mais. Já não é apenas a morte natural a responsável por nos afastar de quem nos faz falta hoje; como, em nosso caso, o subtenente insurgente de infantaria Hernán-Omar (parte de nós desde antes do levante e arrebatado pelo câncer ao nosso lado e do de sua companheira e filho – aos quais abraçamos especialmente neste primeiro aniversário sem ele-).

Agora são, e de forma crescente, os assassinatos, as desaparições, as prisões, os sequestros.

Se você é pobre é vulnerável, se vocês é mulher é ainda mais vulnerável. Como se o sistema não se conformasse em agredi-la pelo que é e ainda se dá a macabra tarefa de eliminá-la. Quer dizer, já não é apenas objeto de perseguição e violência sexual. O que aconteceu com esse sistema que torna “natural” e até “lógico” (“sim, elas pediram por isso”, diz a sociedade inteira) já não apenas o estupro, também o sequestro, o desaparecimento e o assassinato de mulheres? Sim, mulheres. A democratização do ódio de gênero iguala idades, raças, cores, estaturas, pesos, credos, ideologias, militâncias ou não; todas as diferenças, menos as de classe, diluídas em uma diminuição maior: ser mulher.

E vai você agregando potências segundo sua diferença: cor, estatura, peso, indígena, afrodescendente, menina, menino, anciã, ancião, jovem, gay, lésbica, transgênero, seu modo pessoal de ser, qualquer que seja. Sim, um sistema empenhado já não apenas em segregar e depreciar as diferenças, agora decidido a eliminá-las por completo. E não apenas exterminá-las, agora fazendo-o com toda a crueldade que uma modernidade é capaz. Segue a morte matando, mas agora com maior sadismo.

Então, o que queremos dizer é que não apenas nos faltam as mortas e os mortos, também @s desaparecid@s (e com o arroba incluímos não só o masculino e o feminino, também a tudo que excede a falsa dicotomia de gênero), @s sequestrad@s, @s encarcerad@s.

Quantos dos desaparecidos de Ayotzinapa cabem em quantas urnas? Em que projeto partidário se encontram?

Qual logotipo institucional é o que se usa pensando em quem nos falta?

E se nem sequer temos a certeza de que morreram? E se não é só a ausência a que dói, mas também se agregam a incerteza e a angústia (comeu?, tem frio?, ficou doente?, tem dormido o suficiente?, alguém o consola?, sabe que ainda te busco, que sempre te buscarei?)?

Em qual aspiração a um cargo, um posto, um governo, cabem as mulheres agredidas, desaparecidas, assassinadas por todo o espectro ideológico?

Quantas cédulas eleitorais equivalem às crianças assassinadas pelo Partido Ação Nacional na creche ABC?

Por quem votam os exterminados, pelo Partido Revolucionário Institucional e suas réplicas mal disfarçadas, em toda a extensão das geografias e calendários do México dos de baixo?

Em qual contagem de votos aparecem os perseguidos pelo Partido da Revolução Democrática, acusados do delito de serem jovens?

Em qual partido político se representam as diferencias sexuais perseguidas em público e em privado, para as que são condenadas ao inferno em vida e na morte?

Quais são os partidos políticos institucionais cujos logotipos e slogans mancham os muros que devem pular milhares de migrantes, homens, mulheres e crianças para cair em mãos de governantes-criminosos-empresários do tráfico de pessoas?

E poderão encontrar exemplos em crônicas, blogs, reportagens, notas jornalísticas, artigos de opinião, hashtags, etc., mas sempre terá a certeza de que existem muitos mais atos criminosos que não alcançam sequer uma menção pública.

Onde está a zona eleitoral para que aí se expresse a exploração, a repressão, a desapropriação e a depreciação aos povos originários?

Em qual urna se depositam as dores e as raivas dos…

Yaqui,
Kumiai,

Mayo,

Cucapá,

Tohono O´odham,

Raramuri,

Kikapú,

Pame,

Totonaca,

Popoluca,

Nahua,

Maya Peninsular,

Binizáa,

Mixteco,

Hñähñü,

Totonaca,

Mazateco,

Purépecha,

Mixe,

Chinanteco,

Mazahua,

Me´phaa,

Téenek,

Rarámuri,

Chontal,

Amuzgo,

Ópata,

Solteco,

Chatino,

Papabuco,

Triqui,

Cora,

Cuicateco,

Mame,
Huave,

Tepehuano,

Matlatzinca,

Chichimeca,

Guarijío,

Chuj,

Jacalteco,

Lacandón,

Comca´ac,

Wixárika,

Kanjobal,

Chontal,

Chocho,

Tacuate,

Ocuilteco,

Kekchí,

Ixcateco,

Motocintleco,

Quiché,

Kakchiquel,

Paipai,

Pápago,

Cochimí,

Ixil,

Kiliwa,

Aguacateco,

Mame,

Chol,

Tzotzil,

Zoque,

Tojolabal,

Tzeltal?

Aonde cabe tudo isso?

E quando a ditadura do terror e sua lógica perversa obtiveram seu registro legal, invadindo tudo e reajustando os critérios?

Tive sorte, disse qualquer mulher ou homem assaltado na rua, em sua casa, no trabalho, no transporte, não me esfaquearam nem atiraram em mim.

Tive sorte, disse a mulher agredida e estuprada, não me sequestraram.

Tive sorte, disse a criança submetida à prostituição, não me queimaram viva.

Tive sorte, disse o gay, a lésbica, a/o transexual, oa outroa com os ossos quebrados e a pele lacerada, não me assassinaram.

Tive sorte, disse o obreiro, a empregada, o trabalhador submetido a mais horas de trabalho e menor salário, não me despediram.

Tive sorte, disse o líder social torturado, não me desapareceram.

Tive sorte, disse o jovem estudante assassinado e jogado na rua, minha família já não terá que me procurar.

Tive sorte, disse o povo originário desapropriado, não me exterminaram.

E mais:

Que pesquisa eleitoral toma nota da destruição da Terra? Por quem votam as águas contaminadas, as espécies animais encurraladas até a extinção, a terra estéril, o ar sujo? Aonde se deposita a cédula de um mundo agonizante?

Então tem razão: “nossos sonhos não cabem em suas urnas”.

Mas tampouco nossos pesadelos.

Cada qual pode ser responsável por seus sonhos. Falta chamar o responsável por nossos pesadelos a prestar contas. Falta o que falta…

UM “SIM”, VÁRIOS “NÃO”.

Sim, a proposta inicial e original é nossa, do ezetaelene. Nós a apresentamos às delegadas e delegados no Quinto Congresso do Congresso Nacional Indígena. Isto ocorreu nos dias 9, 10, 11 e 13 de outubro do ano de 2016, na sede do CIDECI-Unitierra, em San Cristóbal de Las Casas, Chiapas, México. Nestas datas, haviam delegadas e delegados de coletivos, organizações, bairros, tribos, nações e povos originários das línguas amuzgo, binni-zaá, chinanteco, chol, coca, náyeri, cuicateco, kumiai, lacandón, matlazinca, maya, mayo, mazahua, mazateco, mixe, mixteco, nahua, ñahñu, ñathô, popoluca, purépecha, rarámuri, tlapaneco, tojolabal, totonaco, triqui, tzeltal, tzotzil, wixárika, yaqui, zoque, e chontal. No dia 13 de outubro de 2016, a plenária desse Quinto congresso do CNI decidiu fazer sua a proposta e submetê-la a uma consulta entre quem o integra. No dia 14 de outubro de 2016 pela manhã, o CNI e o EZLN fizeram pública essa decisão no documento chamado “Que retiemble en sus centros la tierra”( Que estremeça em seus centros a terra) .

-*-

Não, nem o EZLN como organização, nem nenhuma, nenhum de seus integrantes, vai concorrer a um “cargo de eleição popular” no processo eleitoral de 2018.

Não, o EZLN não vai se converter em um partido político.

Não, o EZLN não vai apresentar uma mulher indígena zapatista como candidata à presidência da República no ano de 2018.

Não, o EZLN não “deu uma guinada” naquilo que é, nem seguirá sua luta pela via eleitoral institucional.

Então, o EZLN não vai candidatar uma indígena zapatista para presidenta da República? Não vão participar diretamente das eleições de 2018?

Não.

Por que não? Pelas armas?

Não. Se equivoca profundamente quem pensa que é por isso: as zapatistas, os zapatistas tomamos as armas para servir-nos delas, não para sermos escravizados por elas.

Então é porque o sistema político eleitoral institucional é corrupto, inequitativo, fraudulento e ilegítimo?

Não. Mesmo que fosse transparente, equitativo, justo e legítimo, as zapatistas, os zapatistas não participaríamos para alcançar e exercer o Poder desde um posto, um cargo ou uma nomeação institucional.

Mas, em determinadas circunstâncias, por questões estratégicas e/ou táticas, não participariam diretamente para exercer um cargo?

Não. Mesmo que “as massas” nos demandem; mesmo que a “conjuntura histórica” necessite de nossa “participação”; ainda que “a Patria”, “a Nação”, “o Povo”, “o Proletariado” (ok, isso já está muito demodé) o exijam, ou qualquer que seja o conceito concreto ou abstrato (por trás dos quais se esconde, ou não, a ambição pessoal, familiar, de grupo ou de classe) que se elabore como pretexto; mesmo que a conjuntura, a confluência dos astros, as profecias, os índices da bolsa, o manual de materialismo histórico, o Popol Vuh¹, as pesquisas, o esoterismo, “a análise concreta da realidade concreta”, o etcétera conveniente.

Por que?

Porque o EZLN não luta para tomar o Poder.

-*-

Vocês acham que não já nos ofereceram isso e mais? Que não nos ofereceram cargos, favores, postos, embaixadas, consulados, viagens ao estrangeiro com “tudo incluído”, além dos pressupostos que vem juntos? Acham que não nos ofereceram que nos convertêssemos em um partido político institucional, ou que ingressássemos a algum dos já existentes, ou aos que se formariam, e “gozar das prerrogativas de lei” (assim dizem)?

Aceitamos? Não.

E não nos ofendemos, entendemos que a ambição, ou a falta de imaginação, ou a falta de visão, ou a ausência de conhecimentos (e, claro, o não saber ler), levem mais de um a correr para entrar em um partido político institucional, logo sair e passar para outro, logo sair e formar outro, logo e assim segue. Entendemos que, para mais de um ou uma, ainda funcione a desculpa de “mudar o sistema por dentro”. A nós, não.

Mas, no caso da direção e da tropa zapatista, não é só contra o Poder institucional nossa negativa, mas também o que se confronta às formas e processos autonômicos que as comunidades criam e aprofundam dia a dia.

Por exemplo: nenhum insurgente ou insurgenta, seja da comandância ou seja da tropa; nem nenhuma comandanta ou comandante do CCRI (Comitê Clandestino Revolucionário Indígena) podem sequer ser autoridades nas comunidades, nem nos municípios autônomos, nem nas diferentes instâncias organizativas autônomas. Não podem ser conselheiras nem conselheiros autônomos, nem das juntas de bom governo, nem de comissões, nem nenhuma das responsabilidades que são designadas por assembleia, criadas ou a serem criadas, na construção de nossa autonomia, ou seja, de nossa liberdade.

Nosso trabalho, nossa tarefa como ezetaelene é servir às nossas comunidades, acompanhá-las, apoiá-las, não mandar nelas. Apoiá-las, sim. Às vezes temos sucesso. E sim, certo, às vezes atrapalhamos, mas então são os povos zapatistas quem nos dão uma chamada (ou várias, dependendo) para que corrijamos.

-*-

Tudo isto não precisaria ser esclarecido e reafirmado se tivesse sido feita uma leitura atenta do texto intitulado “Que estremeça em seus centros a terra”, feito público na manhã de 14 de outubro de 2016.

Não, não participamos na redação do comunicado. O texto foi feito pela comissão provisória nomeada pela assembleia do CNI e nos mostrado. Não colocamos nem tiramos nenhuma vírgula, nem um ponto. Assim, o fizemos nosso, tal e como o escreveram as delegadas e delegados do CNI.

Mas, como se vê, o analfabetismo funcional não reconhece fronteiras ideológicas nem siglas partidárias, pois de todo o espectro político tem surgido algumas expressões, comentários e opiniões que se debatem entre o racismo e a estupidez. Sim, temos visto parte da intelectualidade da esquerda institucional, e alguma marginal, coincidir com o paladino panista² “do feminismo”, “da honradez”, “da honestidade”, “da inclusão” e “da tolerância”: Diego Fernández de Cevallos, que agora se dedica, junto à versão esotérica de “A Lei e a Ordem”, Antonio Lozano Gracia, a esconder a ex(?) governadores em fuga. Alguém esqueceu da La Calderona³ aplaudindo freneticamente quando o referido Fernández de Cevallos, sendo candidato presidencial em 1994, chamava as mulheres pelo “carinhoso” nome de “a velharada”, e aos camponeses chamava “os torpes”? La Calderona é o símbolo do empoderamento das mulheres de cima ou uma simples laranja de um psicopata insatisfeito? Ainda engana a alguém ao se apresentar com seu nome de “solteira”?

Como lhes contaremos mais adiante, as delegadas e delegados do CNI no V congresso advertiam que o profundo racismo que existe na sociedade mexicana era um obstáculo para levar adiante a iniciativa.

Nós lhes dissemos que não era só o racismo. Há também, na classe política mexicana, um profundo desprezo. Para ela, os povos originários nem sequer são um estorvo, um móvel velho que tem que ser lançado ao passado adornando-o com citações do Popol Vuh, bordados multicoloridos e bonequinhos de segunda mão. A política dos de cima vê através dos indígenas, como se fossem as contas de vidro esquecidas por algum conquistador, ou os restos anacrônicos de um passado preso em manuscritos, livros e conferências “magistrais”. Para a política institucional, os povos originários não existem, e quando “reaparecem” (assim dizem), então é uma suja manobra de uma mente perversa e toda poderosa. Depois de 524 anos só concebem o indígena como incapaz, tonto, ignorante. Se os originários fazem algo, é porque alguém os manipula; se pensam o que seja, é porque alguém os mal orienta. Para os políticos de cima, de todo o espectro ideológico, sempre haverá “um estranho inimigo” atrás dos povos indígenas.

O mundo da política institucional não é só incrivelmente fechado e compacto, não. Também é onde reina a “popularidade” sobre a racionalidade, a bestialidade sobre a inteligência e a falta de vergonha sobre um mínimo de decência.

Que as mídias pagas falsifiquem a informação para convertê-la em mercadoria, vá lá. De toda forma, de algum modo os repórteres tem que comer e é compreensível que, para eles, venda mais a “matéria jornalística” de que o EZLN vai participar das eleições com uma mulher zapatista; no lugar de dizer a verdade, a saber, que o CNI é quem vai decidir se participa ou não com uma delegada própria, e, se for o caso, contará com o apoio do zapatismo.

Isso é compreensível, a falta de informação é também uma mercadoria. Os repórteres e redatores ganharam o pão de cada dia, ok (sim, de nada colegas, não, não há de que, não, mesmo, dispenso).

Mas que pessoas que se dizem cultas e pensantes, que se supõem que sabem ler e escrever, e tem um mínimo de informação, dão aulas em centros de estudos superiores, são eméritos, cobram sem falta suas bolsas e salários, e viajam vendendo “conhecimento”, não leiam o que o documento “Que retiemble en sus centros la tierra” disse claramente, e digam e escrevam toda classe de bobagens, pois são, como dizer suavemente?… bom, são sem vergonhas e charlatões.

Como que os 140 caracteres e a casa de telhado de vidro dos meios de comunicação, se converteram em um muro que nega a realidade, a expulsa e a declara ilegal. Todo o que não cabe em um tuite não existe, dizem e se conformam. E as mídias pagas o sabem: “não se vai ler com atenção um documento de 6 páginas, assim fazemos um resumo do que for e os “formadores de opinião” nas redes sociais o darão por certo”. Se apresentam assim uma série de barbaridades que, já, precipitam uma histeria de apagamentos que talvez provocará o colapso do imenso reino do passarinho azul.

Quanto será o desprezo que merecem dos povos originários estas pessoas, que nem sequer os concedem a existência. Ainda que o texto diga claramente “uma mulher indígena delegada do CNI”, a magia da estupidez apaga o “do CNI” e o suplanta por “do EZLN”.

Depois? Bom, uma cascata de posicionamentos, comentários, opiniões, críticas, desqualificações, likes e dislikes, polegares para cima e para baixo, e não poucos dedos médios levantados.

Quando alguém, que se deu o trabalho de ler o texto original, timidamente assinala que a possível candidata seria do CNI e não do EZLN e que, logo, o EZLN não é quem participa das eleições, todo mundo cai em cima: “nah, é tudo pura manipulação do cara de trapo4”.

Depois os que reclamaram, quase imediatamente, por que não se “liberava” (sim, assim escreveram) primeiro Chiapas. Claro, como em Chiapas estão os territórios de Yaquis, Kumiai, Rarámuris, Nahuas, Zapotecos, Mixtecos, Chinantecos, Totonacos, Popolucas, Mayas Peninsulares, Wixaritaris, para mencionar alguns. Às primeiras provocações trataram de corrigir e, ao menos, se puseram a consultar no google quem raios eram esses outros indígenas “manipulados pelo cara de meia”, e se deram conta de que não vivem em Chiapas (o que, seja dito de passagem, implicaria que as habilidades manipuladoras do finado excedam as fronteiras “das montanhas do sudeste mexicano”).

Depois de consultar a compas advogados, preguntei ao Subcomandante Insurgente Moisés e não. Não haverá demandas ante a CONAPRED (Comissão Nacional para Prevenir a Discriminação) por violar o artigo primeiro da Constituição Política dos Estados Unidos Mexicanos e a Lei Federal para Prevenir e Eliminar a Discriminação, nem ante os tribunais por divulgar informação “inexata ou falsa” que causa “um agravo, seja político, econômico, na honra, vida privada e/ou imagem”.

Não, não sabemos se o Congreso Nacional Indígena (que tem em suas filas não pouc@s especialistas em jurisprudência) procederá às medidas cabíveis.

Tampouco sabemos se @s alun@s, leitor@s, seguidor@s e quem lhes pagam salários e bolsas procederão judicialmente contra eles por fraude (fraude: engano, dar aparência de verdade ao que é mentira), segundo o artigo 386 do Código Penal Federal: “Comete o delito de fraude o que enganando a um, ou aproveitando-se do erro em que este se encontra, faz ilicitamente alguma coisa ou alcança um lucro indevido”.

-*-

No entanto, tem havido, há e haverá dúvidas e questionamentos legítimos e racionais (a imensa maioria proveniente de compas da Sexta, mas não apenas). A essas dúvidas e questionamentos é que, na medida do possível, trataremos de dar resposta neste texto. É certo que nossas palavras não serão suficientes. Todas as críticas, desde todo o espectro político e ideológico, feitas com um mínimo de racionalidade, respeito e com informação verídica, as tomaremos em conta até onde nos diz respeito.

E aqui é necessário deixar algo claro a tod@s: a proposta já não está nas mãos do zapatismo. Desde o 13 de outubro de 2016 a proposta deixou de ser apenas nossa e se tornou conjunta no Quinto Congresso do CNI.

E mais: desde o dia em que se iniciou a consulta do CNI, a aceitação, o rechaço e/ou a modificação da proposta corresponde única e exclusivamente aos coletivos, organizações, bairros, tribos, nações e povos originários organizados no Congresso Nacional Indígena. Já não ao EZLN. O resultado dessa consulta e as decisões conducentes, se houverem, se conhecerão na segunda etapa do Quinto Congresso, nos dias 29, 30 e 31 de dezembro de 2016 e no primeiro de janeiro de 2017, em Chiapas, México. Ou antes, se assim decidir o CNI.

-*-

Claro, você está se preguntando por que fizemos essa proposta, se seguimos pensando como temos dito desde o início de nossa luta e agora o ratificamos. Bom, agora falamos.

Quando o Subcomandante Insurgente Moisés me disse que me cabia explicar isso para a Sexta, lhe preguntei como devia fazê-lo. “Muito simples”, me respondeu, “conte-lhes o que aconteceu”. Assim o farei…

UMA PEQUENA E BREVE GENEALOGIA

Não pudemos precisar a data. Ambos concordamos que seria entre os anos 2013-2014. Embora o finado Supmarcos não fosse um defunto ainda, sua morte já havia sido decidida, o Subcomandante Insurgente Moisés já tinha a chefia do EZLN e as primeiras aparições da Hidra começavam a tornar-se mais claras.

Não sei lá, mas aqui as ideias não surgem em um momento particular, nem tem um autor ou autora precisa. Nascem e logo se vão moldando, às vezes chegam a se converter em uma proposta, depois em uma iniciativa. Outras, as ruins, ficam sendo apenas ideias. Para passar do limite entre ideia e proposta se necessitam meses, anos, às vezes décadas. E, se isso ocorre, basta que a ideia se concretize na palavra de alguém para que comece seu acidentado caminhar.

Tampouco surgiu de uma reunião com essa intenção. Se me perguntarem, direi que começou em uma madrugada de café e tabaco. Analisávamos o que os distintos postos de vigia detectavam e as mudanças profundas que, ainda que iniciadas tempo antes, já se manifestavam nos povos e áreas zapatistas.

Eu digo que a ideia começa a andar pelo Subcomandante Insurgente Moisés. Estou quase seguro de que a mim não havia ocorrido algo tão descabido e absurdo.

Como quer que tenha sido, foi depois que o SubMoy a falou que nos pusemos a pensá-la a sério, com o famoso método zapatista de ir dando voltas e voltas, até chegar aonde queremos, os seja, até “o dia depois”.

Começamos pelo princípio, quer dizer, pelas dificuldades e os obstáculos. Se umas e outras são suficientemente grandes como para que sejam dignas de um desafio, então se passa para a seguinte fase: o que há contra. Depois, e apenas depois, se analisam os prós, o que tem de bom. Ou seja, não se decide até não saber se vale a pena. Ou seja, que primeiro vai o que é, depois tudo o que vai contra e a favor do como, depois onde e quando (o calendário e a geografia), e, já no final do princípio, quem.

Tudo isso não é de uma pessoa, mas vai se abrindo a coletivos cada vez maiores. Aí vai-se “completando” a partir das perguntas, primeiro dos comitês “mais velhos” (nos referimos aos que são mais antigos e conhecem de primeira mão nossa história), depois com os que foram se incorporando ao trabalho de direção organizativa, depois aqueles que já estão como “suplentes” (quer dizer, os que vão substituindo às chefas e chefes), por último, aqueles que estão em formação, @s “candidat@s” (ou seja, os que estão se preparando para fazer o trabalho). Aqui já estou falando de centenas de cabeças, de pensamentos, do ir e vir da palavra, do ouvido; falo de um coração coletivo que vai se ampliando, fazendo-se maior e maior.

O passo seguinte tem a ver com a resposta à pergunta “Quem vai fazê-lo?”. Se corresponde às autoridades autônomas, então a consulta passa a elas; se às comunidades, então se faz uma consulta geral: a todas e todos. Se não toca a nenhuma dessas instâncias, então tem que se perguntar quem vai fazê-lo, às vezes de forma indireta, às vezes diretamente. Se esse “quem” responde afirmativamente, então se consulta com tod@s para definir se será apoiado e como.

Nisso transcorreram 2 ou 3 anos, pelo menos. Ou seja, a ideia ia e vinha, mas sem avançar. Depois, me disseram que fizesse uma investigação com pessoas próximas. O fiz.

Tempo depois, amanhecendo este ano de 2016, o subcomandante insurgente Moisés me chamou e me disse: “Há um trabalho, tenho que falar com você”.

O tom me provocou inquietude: a última vez que o escutei, terminei morto e renascido em uma só jornada, fará pouco mais de dois anos. No entanto, fui para a reunião.

Devia ser dia primeiro de janeiro deste ano de 2016, no 22o aniversário do levante. Não havia nada mais na tenda da Comandância Geral do EZLN que, desde mais de 3 anos, ocupa o SubMoy. O café estava frio, mas havia tabaco suficiente. Ele me explicou mais ou menos, como costuma fazer: como se estivesse pensando em voz alta. Expôs os contras, os prós, e esperou. Entendi que era minha vez. A ideia, como já expliquei, estava há tempo amadurecendo, assim me limitei a citar os contras e adicionar perguntas aos prós. O “quem” nos excedia e tudo o que não tem haver diretamente conosco é um enigma. Quando o SubMoy respondeu a minha pregunta de “quem?”, com um breve “o aniversariante” (quer dizer, o CNI, que faria 20 anos), a insegurança diminuiu: somos conhecidos há duas décadas e o Congresso Nacional Indígena era a iniciativa mais sólida desde que saímos à luz pública: o CNI se manteve, com seus altos e baixos, leal a sua essência e, ainda que deixando sua dor afastada dos meios de comunicação, representava o setor mais agredido pela Hidra. No entanto, tudo isso apenas acrescentou dúvidas.

“Na realidade”, o disse, “não é possível saber o que vai acontecer. Isso vai desatar vários nós e, certo, o que resultará disso é, na melhor das hipóteses, uma incógnita. Não sabemos se o Congresso Nacional Indígena vai aceitar, e muito menos se a Sexta vai entender. E, bom, os outros de lá de cima não pensam, reagem com o fígado, e vão romper coisas que talvez seja impossível reatar. É muito arriscado. Agora mesmo, olhando e analisando o que há fora, te digo que é mais provável que dê errado do que dê certo”.

O SubMoy deixou de lado o copo de café e acendeu um cigarro. “Por isso, aí é onde você entra. Sabe bem que nosso modo é preparar-nos primeiro para que dê errado, recorda como foi o levante e tudo o que se seguiu. Então, se der errado, precisamos de…”

Me precipitei e o interrompi: “um plano alternativo?”.

Riu de bom grado e disse: “Não, precisamos de alguém para culpar sobre o que saiu errado”.

De forma geral, o Subcomandante Insurgente Moisés foi recordando pedaços do filme “A Lei de Herodes” e, quando eu pensava que acabaria no discurso final do deputado Vargas (a historia de um medíocre que se torna criminoso e depois governante, soa familiar?), se referiu à parte de “Há uma boa e uma má notícia”.

(Nota ociosa: “A Lei de Herodes” é um filme de Luis Estrada, com Martín Torres como ajudante de direção, história e roteiro de Jaime Sampietro, Fernando León, Vicente Leñero e o mesmo Luis Estrada, fotografia de Norman Christianson, música de Santiago Ojeda, maquiagem de Alfredo Mora e Felipe Salazar. Junto com “O Inferno” – também de Luis Estrada, com o grande Joaquín Cosío no papel do “Cochiloco”-, são os únicos filmes que conseguiram desbancar os de Jean Claude Van Damme do “top” cinéfilo nas comunidades e nos acampamentos zapatistas).

Depois acrescentou: “necessitamos planejar primeiro o que vamos fazer com a má notícia”.

Não era preciso muito para adivinhar que a má notícia era o fracasso da iniciativa. E não me refiro a não ter êxito em si, mas ser rechaçada pelo CNI, o qual, aceitando-a, se converteria no protagonista indiscutível de algo que iria surpreender ao México e ao mundo.

O Subcomandante Insurgente Moisés foi avançando nos detalhes.

“Veja, a primeira coisa que vai preocupar ao CNI é que os acusem de traírem sua palavra, que vão se meter na merda, que vão desviar do caminho, que estão claudicando. Ou seja, que se deixaram convencer pelo sistema e que querem dinheiro, ou seja o Poder, mandar, ser como os outros. Que se renderam, que se venderam. Haverão essas críticas, mas estou seguro de que eles tem a cabeça e o pensamento para responder a altura. Mas o problema é quem vai escutá-los. Vão atacá-los muito forte e não lhes darão a oportunidade sequer de se defender.

Mas aí podemos estendê-los a mão. Se nós, ou seja você, se põe para receber as críticas e os ataques, então o CNI poderá ver não apenas quem os ataca, também poderá ver pontos a favor e contra que não poderiam ser vistos até que se torne público. Tudo isso os vai ajudar a decidir se sim ou se não”.

Seguiu falando. Quase fez um retrato falado do que veio acontecendo nas últimas 4 semanas. Disse quem iria dizer o que, quem iria se colocar contra e por que, qual iria ser o pensamento do Mandão, quem iria se confundir, quem iria se esperançar, quem iria estender suas asas de abutres, e quem iria apoiar com tudo porque iria entender totalmente o que se colocava em jogo.

Depois de umas horas de perguntas e respostas, lhe disse: “Mas para isso não é necessário que eu esteja presente. Bastarão alguns comunicados, talvez alguma entrevista. As mídias são assim, pensarão que nada mudou, que se pode fazer o mesmo. Os de cima, bom, são tão previsíveis que dão até cansaço. Sairão com as de protagonismo, manipulação, divisionismo. Isso sim, se concentrarão em uma pessoa, nisso tem razão. Mas, lhe repito, para isso não é necessário que eu ajude. E mais, são tão quadrados que, sem sequer dizer nada, irão contra mim”.

“Não”, disse o SubMoy, “você que tem que apresentar a proposta. Não apenas porque se te veem ali pensarão que é coisa sua e as críticas vão cair redondinhas, também e sobre tudo porque os compas do CNI tem que entender que não é algo que só tem haver com os povos indígenas. É maior, muito maior”.

Então, depois de acender outro cigarro, acrescentou:

“Tão grande, ou mais, que o primeiro de janeiro de 1994”.

Não era nada depreciável a afirmação, sobre tudo vindo de quem veio. O Subcomandante Insurgente Moisés não é apenas veterano de guerra, chegou ao EZLN desde muito antes do início da guerra. O primeiro de janeiro de 1994 o levou a assumir o comando de um regimento e tomar a praça da sede municipal de Las Margaritas, ao mesmo tempo que carregava o corpo já sem vida do Subcomandante Insurgente Pedro. Anos depois, se encarregou das comunidades zapatistas. Em 26 de outubro de 2010, ascendeu ao grau de Subcomandante Insurgente, o mais alto na hierarquia militar do EZLN. No ano de 2012, “o dia do fim do mundo”, foi ele quem organizou e coordenou a mobilização silenciosa de mais de 40 mil homens, mulheres, crianças e idosos zapatistas que, nesta data, surpreenderam ao mundo. Em 14 de fevereiro de 2013, assumiu a chefia [do EZLN] e o cargo de porta-voz do zapatismo. Desde então, toda nossa palavra pública, e qualquer iniciativa nacional ou internacional, deve passar por sua aprovação.

E teve e tem razão: o empenho é tão, mas tão terrível e maravilhoso, que poderia ser maior que aquele primeiro de janeiro do ano 1994, que nos marcou permanentemente.

“Ainda que o CNI rechace a proposta, colocando-se apenas a pensar, a discutir, a dialogar, já não será igual, porque se passará do “isto nos fazem” a “vamos fazer algo”, e isso já leva a outro pensamento”, seguiu dizendo o Subcomandante Insurgente Moisés.

“E não estarão sozinhos nem sozinhas”, disse quase no final, “além de nós, terão ao seu lado as artes e as ciências”.

Antes de me retirar, preguntei-lhe por que o Congresso Nacional Indígena. O Subcomandante Insurgente Moisés se levantou para me acompanhar até a saída e me respondeu:

“Porque são os únicos que podem fazer o que nós não podemos”.

Depois, aconteceu o que aconteceu. O magistério democrático firmou sua rebeldia, os povos originários seguiram sofrendo ataques, desapropriações e desprezos, a Hidra seguiu devorando mundos e o CompArte explodiu em cores, sons, formas e movimentos que não foram nada mais que o prelúdio do que viria depois: um tremor terrível e maravilhoso.

Ainda na véspera preguntei ao Subcomandante Insurgente Moisés se havia alguma mudança. “Será como dissemos, prepare-se para ir”, me respondeu sem mais.

Chegamos no dia 9 de outubro ao CIDECI, quando a tarde já pendurava suas roupas manchadas em árvores e casas. Mais tarde, quando a noite já era ama e senhora do calendário e da geografia, as delegações do CNI chegaram espaçadas. Não era curto o caminho que precisavam percorrer para chegar.

Havíamos seguido com atenção todos e cada um dos processos no seio do CNI, sua palavra pública e privada. O CNI é o único espaço onde os originários podem fazer-se escutar. Sabíamos já que, à conta de assassinados, desaparecidos, encarcerados, agredidos, se somariam agora os cadáveres de territórios inteiros.

“Quando um território de um povo, nação, tribo ou bairro originário é despojado ou destruído”, dizia o Grande Vovô, Juan Chávez Alonso, um indígena purépecha que foi professor e guia do CNI e do EZLN, “então morrem com ele os originários que tem nele suas raízes e casas. E quando morre um povo originário, um mundo se apaga”.

Sabíamos então que nas mesas de trabalho e nas relatorias desse congresso haveria menos mundos. Não eram poucos os que chegariam a despedir-se, mesmo que ainda não o soubessem.

“Tem que começar já”, me disse o Subcomandante Insurgente Moisés, “há que dividir a carga”…

NASCE UMA PROPOSTA

No dia 9 de outubro de 2016, já de noite, pedimos umas primeiras reuniões com quem foi chegando. Nos reunimos em uma parte das instalações do CIDECI-Unitierra. A delegação zapatista se sentou em frente às delegadas e delegados do CNI que estavam chegando. Permitam que lhes fale um pouco sobre a delegação zapatista: eram 34, 17 mulheres e 17 homens; del@s, só 7 eram “d@s velh@s”; o resto, 27, eram comandantas e comandantes que eram crianças e jovens quando nos levantamos no primeiro de janeiro de 1994.

Nos saudamos com um aperto de mãos. Tod@s se sentaram, menos o Subcomandante Insurgente Moisés e eu. Ele me fez um sinal.

Comecei a falar, tratando de recordar tudo o que havíamos falado antes, explicando o que, palavras mais, palavras menos, iria repetir no dia seguinte, 10 de outubro, na plenária fechada, e depois na plenária aberta de 13 de outubro:

“Pensamos que temos que tomar uma decisão como CNI e EZLN. Temos que decidir se este Quinto Congresso será como outras reuniões, onde dizemos nossas dores, falamos de nossas resistências, nos queixamos, maldizemos o Sistema, declaramos que não vamos nos render, e depois voltamos cada um para sua terra, levando a contagem de agressões, despojos, injustiças, mortes.

Nossa dor chega a cada vez menos pessoas. Nossas mortes não encontram eco como antes. E não é que as pessoas de fora tenham ficado cínicas ou apáticas. É que a guerra que sofremos desde muito tempo como povos originários já chegou a elas, já está em suas ruas, em suas casas, em suas escolas, em seus lugares de trabalho. Nossas dores são agora uma entre muitas outras. E, ainda que a dor se estenda e se faça mais profunda, estamos mais sozinhos que nunca antes. Cada vez vamos ser menos.

Logo o CNI não poderá reunir-se porque não poderá sair de seus territórios, seja pelo dinheiro, seja pelo mal governo, seja pelas empresas, seja pela delinquência, seja porque a morte natural ou a morte má nos impedirão. Daqui a um tempo estaremos falando só entre nós mesmos, já sabendo o que vamos dizer.

Vocês, delegadas e delegados do CNI, estão aqui porque os delegaram, porque seus povos, nações, tribos e bairros buscam apoio, palavra e ouvido que lhes alivie e conforte. Vem para falar e escutar. Vocês devem a seus povos, a nada mais. Tudo está muito mal e, vocês e nós sabemos, vai piorar. Temos que fazer algo.”

Lhes contei então uma anedota acontecida ao finado Supmarcos durante a outra campanha, há 10 anos.

Ele contou que, em uma nação originária no noroeste do México, se reuniu com um chefe indígena. Como em outras vezes, o finado foi criticado porque o dito chefe havia recebido antes a governos institucionais. O finado disse que ele não havia sido mandado para julgar e condenar ou absolver, mas que devia escutar porque um dia iria necessitar. O chefe indígena o recebeu aparte e em privado.

Disse o chefe ao finado: “Sei bem que não queriam que se reunisse comigo, que te pressionaram para que não estivesse aqui. A mim também pressionaram para que não te recebesse. Não sei por que está aqui. Imagino que aqueles que te mandaram assim te disseram, que nos veja e escute. Não o sei. Mas vou lhe dizer por que te recebi. Eu recebi aos governos. Vieram de todas as cores e de todos os tamanhos. Chegam, tiram sua foto, dizem umas palavras, vão embora, não voltam. Eu os recebi porque meus anteriores me disseram que meu dever era garantir que minha gente, meu povo, não morresse, que sobrevivesse. Por isso os recebi, por isso lhe recebo. Não creio que me traga nem conselhos nem ensinamentos, ainda que é bom que não busque foto e escute ao invés de falar. Assim os recebi porque penso que assim meu povo sobrevive um tempo mais e não morre. Por isso te recebo, porque creio que algo se verá do que somos e desse encontro, ainda que só por pouco tempo, ajudará meu povo a sobreviver.” O finado anotou tudo em seu caderno, por isso tinha as palavras exatas do chefe indígena.

Depois dessas palavras, o chefe ficou calado. O finado pediu então permissão para falar. O chefe lhe concedeu a palavra. O finado disse, palavras mais, palavras menos (não as anotou no caderno porque não podia falar e escrever ao mesmo tempo): “Obrigado por receber-me. Tenho apenas uma pregunta: não te preocupa ter-se equivocado, quer dizer, que receber aos governos ou a mim não tenha ajudado a seu povo a não morrer e seja julgado como um mau chefe?”

O chefe indígena esperou para ver se a pergunta tinha acabado, depois respondeu: “A mim só me podem julgar meu próprio povo. Se meu povo me condena por isso que fiz e faço, quer dizer que não me equivoquei. Porque para que me julgue e condene, meu povo tem que ter sobrevivido. Assim, terei cumprido meu dever e prestarei boas contas aos mortos, ainda que os vivos me condenem”.

Aqui termina a anedota do defunto. Segui falando:

“Por isso vocês precisam ter claro a quem devem. Ao EZLN não devem nada. Tampouco à Sexta. A nada que não sejam seus próprios povos. Aqueles que representam não lhe devem nada. Devem fazer algo, porque logo para muitos não haverá nada e será demasiado tarde.”

Lhes dissemos que tinham que fazer algo, que seu dever era para com seus bairros, tribos, nações e povos originários, para com seus coletivos e organizações.

Lhes dissemos para fazerem algo, o que fosse; que, se achassem necessário, entrassem no MORENA (está nas gravações e podem certificá-lo as delegadas e delegados assistentes; foi a única vez que, por nossa parte, se mencionou aos quais depois, e antes de mais nada, deslegitimaram e condenaram a proposta, exibindo estupidez, racismo, intolerância, desprezo e franca esquizofrenia. Sim, a primeira opção que o zapatismo apresentou ao CNI foi apoiar ao Partido Movimento de Regeneração Nacional). Ou que entrassem a qualquer outro partido político. Ou que fizessem seu próprio partido político.

Que em tudo isso não os iríamos seguir, mas iríamos compreender por que o faziam e não teriam, de nossa parte, nem julgamentos nem condenações.

Lhes dissemos que, se a Sexta os impedisse, que a deixassem.

Que se o EZLN os impedissem, que cortassem a relação conosco.

Não necessito dizer-lhes que, em cada uma dessas opções, as delegadas e delegados faziam gestos como se estivessem espantando moscas impertinentes. Todas e todos se mantiveram calados. Segui:

“Façam algo, isso ou outra coisa.”

Aqui voltei a olhar para o Subcomandante Insurgente Moisés. Ele fez um gesto para que continuasse:

“Nós viemos propôr outra coisa: estamos agredidos, com mortes, desaparições, sequestros, encarceramentos, despojos, injustiças, territórios inteiros destruídos e outros em vias de extinção. Estamos encurralados, sem esperanças, sem forças, sem apoios, débeis, agonizantes. Para os políticos e os meios, mesmo que sejam de esquerda ou progressistas, não existimos.

Assim, nós zapatistas pensamos que é o momento de passar à ofensiva. Chegou a hora do contra ataque. E há de começar atacando um dos corações do Sistema: a política dos de cima.

Por isso lhes propomos que o CNI forme uma Junta de Governo Indígena (assim se chamava na nossa proposta original; já na assembleia, com a proposta de uma delegação indígena magonista5 de Oaxaca, passou a se chamar “Concelho Indígena de Governo”), um coletivo formado por delegados do CNI que aspire a governar o país. E que se apresente às eleições presidenciais de 2018 com uma mulher indígena do CNI como candidata independente.”

Não, ante essa proposta as delegadas e delegados não fizeram como se estivessem espantando um inseto irritante, mas francamente se enojaram. Alguns se irritaram muito (mas bem se emputeceram). Outros mais disseram que, como piada, era muito ruim, que não lhes dava vontade de rir e sim dor de estômago. Mas a maioria ficou em silêncio.

Devo dizer-lhes que, no modo dos originários, o silêncio não significa acordo, convencimento ou falta de argumentos. Significa que escutam e, olham, pensam e analisam antes de falar (sim, a muitas pessoas lhes faria muito bem seguir esse método).

Por que nos escutaram? Porque nos consideramos irmãos e irmãs. O respeito que temos mutuamente fez com que nos escutassem até o final.

E entenderam que não era uma ideia que havia apenas ocorrido, mas uma ideia que poderia chegar a ser uma proposta. E como tal começaram a pensá-la.

Depois de um extenso silêncio, alguém iniciou dizendo algo como: “estou pensando que assim poderíamos reconstruir o CNI, que a iniciativa daria outra vez visibilidade aos indígenas. Porque, há que se dizer claramente compas, não existimos para a classe política. Já nem mais como objeto de esmolas nos mencionam. E creio que, com esta proposta, não apenas poderíamos encontrar-nos com outros indígenas, também nos encontraríamos com muita gente de abaixo que está fodida. Há muito descontentamento em todo o país, e não há alternativa para os indígenas, e tampouco para os que não são indígenas. Claro, a proposta tem várias coisas em contra que temos que analisar com seriedade”.

Alguém mais tomou a palavra e mencionou dois contras: o racismo que há na sociedade mexicana; e que os iriam criticar e atacar por buscar o Poder. Ambos pontos contra se repetiram nos comentários posteriores. Não, nem nessa reunião, nem nas seguintes, ninguém mencionou como ponto contra que seriam acusados de querer “dividir à esquerda”.

Assim foi como a ideia começou a deixar de ser só nossa. Assim foi como o CNI começou a pensá-la e a fazê-la sua. A palavra foi ampliando-se mais e mais. Logo, todas as delegações estavam pensando, opinando, comentando. A absurda ideia começava a converter-se em uma proposta coletiva.

Na assembleia plenária fechada do dia 10 de outubro e nas mesas de trabalho do dia 11, a palavra ia e vinha. Sem deixar de cumprir com o mandato que levavam as delegações, o tema central deixou de ser a denúncia. A possibilidade de passar à ofensiva se converteu no mais importante. Nas mesas de trabalho (foram 4), às quais podia-se assistir como observadores, algumas e alguns compas da Sexta, quando se falava do tema, se moviam nervosos em suas cadeiras, se olhavam un@s a@s outr@s (não podiam falar, só escutar), voltavam a ver a delegação zapatista (havíamos nos dividido para cobrir as 4 mesas e ter assim total conhecimento de todas as denúncias e experiências das delegações do CNI). Mais de um@ saiu com evidente raiva.

Um movimento febril percorria reuniões grandes e pequenas. Quem podia, chamava por telefone a seus povos, contando-lhes o que se discutia, pedindo opiniões, pareceres. Os prós e os contras eram analisados e discutidos. Se faziam listas de uns e outros. Se pensavam. Se buscava a resposta a uma pergunta: “Valeria a pena?”.

A ideia já havia deixado de ser do EZLN. Era agora do Congresso Nacional Indígena. No coração coletivo dos povos originários crescia o eco das palavras iniciais do Subcomandante Insurgente Moisés, em nome de todas e todos os zapatistas:

“Agora é a hora do Congresso Nacional Indígena. Que a seu passo estremeça em seus centros a terra. Que em seu sonho se derrotem o cinismo e a apatia. Que em sua palavra se levante a de quem não tem voz. Que em sua visão se ilumine a obscuridade. Que em seu ouvido encontre casa a dor de quem se pensa sozinho. Que em seu coração encontre consolo e esperança o desespero. Que com seu desafio se surpreenda de novo o mundo”

-*-

Mas faltava o que faltava.

Além de analisar os prós e os contras, para o CNI teria que ficar claro qual era o papel do zapatismo nessa iniciativa.

Com a antecipação devida, o Subcomandante Insurgente Moisés e o Comitê Clandestino Revolucionário Indígena haviam organizado uma pequena festa para homenagear o aniversariante, o Congresso Nacional Indígena, que nesse dia 12 de outubro de 2016 chegava aos 20 anos sendo casa, ouvido, palavra e eco dos povos originários de México.

O lugar? O caracol de Oventik, nas montanhas do sudeste mexicano.

Foram recebidas as delegações do CNI conforme os protocolos zapatistas para convidados especiais. Claro, houve um esforço extra para honrar essas visitas. Não são todos os dias que se pode receber a nossos familiares mais próximos, os quais tem em comum com os povos zapatistas o sangue, a dor, a raiva, a resistência e a rebeldia. Ou seja, a história.

A princípio não entendi por que o Subcomandante Insurgente Moisés havia disposto o alojamento das delegações dessa forma: na tenda principal acomodou as delegações do CNI e em frente colocou uma pequena plataforma onde ficou a direção zapatista, encabeçada pelo mesmo.

Eu pude ver tudo porque me movia de um lado para o outro, tratando de convencer às companheiras e companheiros do CNI que podiam subir nos bancos para ver melhor. “É que trago lodo nos sapatos e vou sujar o banco”, argumentou uma delegada. “Companheira”, lhe disse, “aqui o que não falta é lodo, então não tenha pena”.

O CNI nomeou uma mulher indígena delegada para tomar a palavra na cerimônia. Falou o Comandante David para dar as boas vindas. Logo falou a companheira do Congresso Nacional Indígena. Ela falou como se fala entre familiares: com o coração na mão. Não vou repetir suas palavras, nem as que o Subcomandante Insurgente Moisés disse depois em nome de todas e todos nós. A companheira do CNI já ia se retirar quando o Subcomandante Insurgente Moisés lhe pediu que ficasse.

Ali ficou a companheira durante todo o ato, rodeada pela chefia indígena zapatista, de frente às delegações do Congresso Nacional Indígena.

Então entendi.

Eu olhava desde uma lateral, mas com a perspectiva visual das delegações do CNI, as quais puderam ver como uma mulher, indígena como elas e eles, do Congresso Nacional Indígena como eles e elas, era acompanhada pela máxima autoridade do EZLN, cobrindo-a, protegendo-a, acompanhando-a, apoiando-a, marcando o que nos fazia diferentes, mas companheiras e companheiros.

Foi assim que, com esse símbolo, o Subcomandante Insurgente Moisés respondeu à pergunta que rondava as delegações do CNI desde o primeiro dia: “Que lugar teria o EZLN na iniciativa se fosse aprovada?”

Houve depois danças, peças de teatro, canções e poesias.

Ao final do ato, uma companhia miliciana zapatista apresentou um comunicado completo sem dizer uma palavra.

Depois? A comida: carne e peru, à escolha, café e pozol6. Depois se retiraram.

No outro dia, o 13 de outubro, foi a assembleia geral resolutiva…

POR QUE?

O 13 de outubro iniciou com bons presságios: uma das mesas de trabalho não havia terminado e a abertura da assembleia plenária foi atrasando. Depois se iniciou com a apresentação das relatorias. Sim, uma das mesas não havia terminado de transcrever. Seguiu o atraso, como deve ser em qualquer decisão importante. Ah, eu sei. Em vão dissemos, nós somos a atualização constante do software “a rebelião dos travados”.

Por indicações do Subcomandante Insurgente Moisés, nas três assembleias plenárias (a fechada, a de inauguração e a de encerramento) a delegação zapatista se sentou atrás, ao fundo do auditório do CIDECI-Unitierra. Assim ficava claro qual seria o assunto: era a hora do Congresso Nacional Indígena.

Quando ao fim se chegou ao tema de “Propostas para o fortalecimento do CNI”, o Subcomandante Insurgente Moisés pediu a palavra para a delegação zapatista. Lhe foi concedida e o SubMoy passou à frente. Iniciou suas palavras mais ou menos assim:

“Me contaram um filme, creio que se chama “A Lei de Herodes” (risadas gerais, menos minha careta particular, porque já sabia o que seguia). Então, nesse filme que me contaram há uma parte onde o Vargas diz: trago uma boa e uma má notícia (mais risadas gerais, mais caretas particulares). Então temos que ver o que vamos fazer com a má notícia. Ou seja, em quem vamos colocar a culpa do que deu errado. Então vou pedir ao SupGaleano que passe a explicar a proposta” (mais risadas gerais, já nenhuma careta particular).

Passei à frente. Depois de esclarecer que fazia com muito prazer meu trabalho de “saco de pancadas”, ou de “plano alternativo”, e que para mim era um poderoso afrodisíaco receber críticas e insultos (bom, o disse de forma mais prosaica, mas esse era o sentido), disse o que tinha sido confiado a dizer. O farei de forma sintética, posto que já são várias páginas e, se você já chegou até esta, merece um pouco de consideração. Além do mais, agora você saberá o por quê de o ezetaelene ter feito essa proposta e por que ao CNI.

Primeiro insistimos em que nossa proposta original era a de uma mulher indígena, delegada do CNI, de sangue indígena, que fale sua língua e conheça sua cultura. E abrimos com isto porque o referente a “uma mulher” estava se diluindo nas conversas e mesas de trabalho. Primeiro passaram a dizer “a candidata ou candidato”, depois “o candidato ou candidata”, depois apenas “o candidato”.

Assim lhes recordamos que não se podia tomar uma decisão ali, nesse Quinto Congresso, porque era um compromisso desde seu nascimento, que o Congresso Nacional Indígena consulta-se com aqueles que o formam as propostas que se apresentam nas reuniões. Os sete princípios obrigavam o CNI a consultar a si mesmo, segundo o modo de cada qual.

Depois lhes dissemos o que acreditamos a respeito da iniciativa:

Que o Concelho Indígena de Governo deveria ser formado por delegados e delegadas de todos os coletivos, organizações, bairros, tribos, nações e povos originários organizados no Congresso Nacional Indígena.

Que não vão ganhar, porque o sistema eleitoral no México está feito para beneficiar aos partidos políticos, não para os cidadãos.

Que, se ganharem, não os vão reconhecer, porque a fraude não é uma anomalia do sistema eleitoral mexicano, é sua coluna vertebral, sua essência.

Que, se ganharem e se forem reconhecidos, não vão poder fazer nada transcendental, porque lá acima não há nada para fazer. As questões fundamentais da maltratada nação mexicana não são decididas nem pelo poder executivo, nem nas câmaras legislativas, nem no poder judicial. O Mandão não tem cargo visível e o despacha nas catacumbas do Poder financeiro internacional.

E que, não apesar de todo o anterior, mas precisamente por todo o anterior, podiam e deviam fazê-lo.

Porque sua ação iria significar não apenas um testemunho de inconformidade, mas um desafio que seguramente encontraria eco nos muitos abaixos que há no México e no mundo; que poderia gerar-se um processo de reorganização combativa não só dos povos originários, também de obreiros, camponeses, empregados, colonos, professores, estudantes, em fim, de toda essa gente cujo silêncio e imobilidade não é sinônimo de apatia, mas de ausência de convocatória.

Em resposta ao que se havia dito de que era impossível, que havia muitos contras, que não iriam ganhar, lhes respondemos que, se nos tivéssemos encontrado em 31 de dezembro de 1993 e tivéssemos lhes dito que, em algumas horas, iríamos nos levantar em armas, declarar guerra ao mau governo e atacar os quarteis da polícia e do exército, também nos teriam dito que era impossível, que havia muitos contras, que não se iria ganhar.

Lhes dissemos que não importava se ganham ou não a presidência da República, que o que iria importar era o desafio, a irreverência, a insubmissão, a quebra total da imagem do indígena objeto de esmola e de lástima (imagem tão arraigada na direita e, quem diria, também na esquerda institucional da “mudança verdadeira” e seus intelectuais orgânicos viciados no ópio das redes sociais), que seu atrevimento fará tremer o sistema político inteiro e que teria ecos de esperança não em um, mas em muitos dos Méxicos de baixo… e no mundo.

Lhes dissemos que a iniciativa estava no tempo para que, com toda liberdade e responsabilidade, decidissem desde onde a levariam e até onde a levariam.

Lhes dissemos que poderiam decidir a todo momento o que, porque era seu passo, e que o destino que marcavam romperia todos os esquemas, sobre tudo os daqueles que creem e pensam ser a vanguarda da mudança e da revolução.

Lhes dissemos que, se estavam dispostos a desafiar uma sociedade racista, deveriam ir mais além e desafiar também a um sistema patriarcal e machista (não é o mesmo, como mostra quem milita na luta feminista).

Lhes dissemos que as comandantas zapatistas diziam que elas podiam tratar de apoiar às companheiras que estiverem no Concelho Indígena de Governo e à companheira que estivesse como porta voz e candidata, cuidando de seus filhos na comunidade. Que os cuidaríamos bem, como se fossem nossos próprios. Iriam à escola autônoma para que no se atrasem em seus estudos, veríamos quais doutoras e doutores solidários seriam encarregados de sua saúde. E que, se tiverem animais, pois também os iríamos cuidar. Que as companheiras do CNI fariam sem problemas esse trabalho se assim o mandasse o acordo do CNI.

Lhes dissemos que não se preocupassem se não souberem falar bem espanhol. Que o Peña Nieto tampouco sabe e ali está.

Lhes dissemos que podíamos reorientar nossa economia de resistência e fazer um chamado a pessoas, coletivos e organizações do México e do mundo, para conseguir o dinheiro para mover-se onde for necessário. Assim poderiam ter a liberdade de renunciar ao financiamento institucional que o sistema dá às candidaturas independentes.

Lhes dissemos que não só pensávamos que podiam governar nosso país que se chama México, também podiam governar o mundo inteiro.

Lhes dissemos que aproveitassem para falar e escutar a outros povos originários, e a outros e outras que não são indígenas, mas que igual estão sofrendo sem esperança nem alternativa.

Lhes dissemos que havia coisas que nós como zapatistas podemos fazer e o CNI não. E que o CNI podia fazer coisas que nós como zapatistas não podemos fazer.

Lhes dissemos que elas, eles, o coletivo que se chama Congresso Nacional Indígena, podia fazer o que ninguém mais (incluindo o zapatismo) podia fazer: unir. Porque um movimento legítimo, como o dos povos originários, pode e deve ser um ponto de união entre os diferentes mas iguais em empenho.

Mas não “unir” em baixo de uma sigla, uma hierarquia, uma lista de siglas reais ou suplantadas. Não. Unir como ponto de confluência, ser o punho onde as diferenças e rivalidades encontram um ponto comum, onde coincidem. A terra, pois. E, para isso, quem melhor que aqueles que são a cor da terra, que são da terra.

Lhes dissemos que, em torno desse Concelho e dessa mulher indígena, podia gerar-se um grande movimento que fará tremer o sistema político inteiro.

Um movimento onde confluiriam todos os de abaixo.

Um movimento que faria estremecer a terra em seus centros.

Sim, já no plural, porque são muitos os mundos que na terra deitam e aguardam uma boa sacudida para nascerem.

Lhes dissemos que talvez, então, não importará se se juntam ou não as assinaturas, se sai ou não o dinheiro para mover-se, se se obtém ou não o registro da candidata, se se apresentam ou não as outras candidaturas para debater, se se participa ou não nas eleições, se se ganha ou não, se se reconhece ou não o triunfo, se se pode ou não fazer algo lá em cima.

E não iria importar, porque seriam outros os problemas, outras as perguntas, outras as respostas.

Lhes dissemos que não lhes íamos herdar nossas fobias e filias, que respeitaríamos suas decisões, seus passos, seus caminhos.

Lhes dissemos que, como zapatistas, seríamos uma força a mais entre as que seguramente haveriam de sentir-se convocadas por seu desafio.

E lhes dissemos o mais importante que havíamos ido dizer-lhes: que estávamos dispostos a apoiar com toda nossa força.

Que íamos apoiar com tudo o que temos, que, ainda que pouco, é o que somos.

-*-

Seguiram as participações, todas já no sentido de fazer própria do CNI a proposta. Um ou outro pedindo que já se decidisse ali mesmo. A imensa maioria assinalando que deviam consultar.

A comissão relatora nos passou uma cópia do projeto resolutivo.

Instintivamente tomei um lápis para adicionar vírgulas e pontos.

O Subcomandante Insurgente Moisés me deteve e murmurou:

“Não, essa palavra já é delas e deles. É grande essa palavra, maior que nós, zapatistas. Como dizia o finado: somos os menores, nos cabe ficarmos de lado e esperar…”

A CONSULTA INTERNA ZAPATISTA

Poderíamos dar-lhes os resultados e pronto. Mas acreditamos que talvez os ajude a entender, e entender-nos, se lhes contarmos como foi o processo.

Desde o dia 15 de outubro de 2016, a delegação zapatista no Quinto Congresso do Congresso Nacional Indígena, junto com a CG-CCRI do EZLN, se deram a tarefa de organizar a consulta interna para conhecer a opinião e decisão das bases de apoio zapatistas sobre a proposta central.

A consulta interna fizemos em todas e cada uma das comunidades, coletivos, regiões e zonas zapatistas. Também incluímos na consulta as companheiras, companheiros, irmãos e irmãs da cidade, que participam em diversas equipes de apoio da Comissão Sexta do EZLN. Não foram incluídas na consulta as tropas insurgentes zapatistas porque não é nosso trabalho tomar esses tipos de decisões.

Fizemos a consulta segundo nosso modo, seguindo uma guia que realizou o Subcomandante Insurgente Moisés na manhã do dia 14 de outubro de 2016, antes de ser feito público o texto “Que estremeça em seus centros a terra”:

1.- Informação. – Ou seja, em cada comunidade, coletivo, região e zona, primeiro se informou o que se disse nesses dias do mês de outubro de 2016. Se informou das dores de nossos povos irmãos do Congresso Nacional Indígena, de todas as maldades que lhes fazem os capitalistas, que exploram, reprimem, depreciam e roubam aos povos originários, de como estão matando povos inteiros. Mas não apenas, também informamos de como se organizam e resistem contra essa política de morte e destruição. Para este informe, usamos a relatoria feita pela comissão provisória do CNI, o documento que foi feito que se chama “Que estremeça em seus centros a terra ”, e o resumo e as notas feitos pela delegação zapatista sobre essa primeira etapa do Quinto Congresso do CNI.

Este ponto é muito importante, porque é aqui onde convertemos a nossas irmãs e irmãos, companheiros e companheiras, em ouvido e coração para as dores e resistência de outros que são como nós em outros lugares. É muito importante e urgente este ponto, porque se não nos escutamos entre nós, menos as outras pessoas vão nos escutar.

2.- A proposta. – Se disse e se explicou qual é a proposta: que o Congresso Nacional Indígena nomeie um Concelho Indígena de Governo (que é como uma Junta de Bom Governo, mas nacional, ou seja, em todo o México), formado por representantes mulheres e homens de cada um dos coletivos, organizações, bairros, tribos, nações e povos que estão organizados no Congresso Nacional Indígena. Ou seja, que este Concelho seja formado por indígenas, e elas e eles são os que vão governar o país.

Esse Concelho Indígena de Governo é coletivo, ou seja, não é uma pessoa que manda, mas todas e todos fazem seus acordos para governar. Esse Concelho Indígena de Governo não faz o que lhe ocorre, mas toma em conta o que dizem os povos de todo o México, indígenas e não indígenas.

Ou seja, que esse Concelho tem os 7 princípios do Mandar Obedecendo:

servir e não servir-se;

representar e não suplantar;

construir e não destruir;

obedecer e não mandar;

propor e não impor;

convencer e não vencer;

baixar e não subir.

Esse Concelho Indígena de Governo tem como porta voz uma mulher indígena do CNI (não do EZLN), ou seja, que tem sangue indígena, que fala sua língua originária e conhece sua cultura. Ou seja, tem como porta voz uma mulher indígena do CNI.

Essa mulher indígena do CNI é a que se apresenta como candidata à presidência do México em 2018. Como não se pode colocar todos os nomes de quem é do Concelho Indígena de Governo, porque pode haver confusão, então o nome que se põe é o da porta voz do Concelho. Não é que essa mulher indígena está em um partido político, mas é uma candidata independente. Assim se diz quando alguém está em uma eleição, mas não pertence a um partido político.

Então, esse Concelho Indígena de Governo, junto com a mulher indígena do CNI, se põe a percorrer tudo o que puder do México e do mundo para explicar como está a situação em que estamos por culpa do sistema capitalista, que explora, reprime, rouba e deprecia aos de baixo, aos pobres do campo e da cidade, e que, além disso, já está destruindo a natureza, ou seja, está matando o mundo em que vivemos.

Esse Concelho Indígena de Governo vai tratar de falar e escutar humildemente a todos os indígenas do México em seus povos, regiões, zonas, estados, para convencê-los de que se organizem, de que não se entreguem, de que resistam e de que se governem a si mesmos, assim como fazemos como zapatistas que somos, que ninguém nos disse como ou o que temos que fazer, mas sim que os próprios povos decidem e mandam.

Esse Concelho Indígena de Governo também vai tratar de falar e escutar a quem não é indígena, mas que também é explorado, reprimido, roubado e menosprezado no México e no mundo. Igualmente, vai levar-lhes uma mensagem de organização e luta, de resistência e rebeldia, segundo o modo de cada qual, segundo seu calendário e sua geografia.

Para que essa mulher indígena, delegada do CNI, seja reconhecida como candidata pelas leis mexicanas, tem que juntar quase um milhão de assinaturas de pessoas com título de eleitor. Se as junta e estão válidas as assinaturas, então a reconhecem como candidata independente para presidenta do México e colocam seu nome para que, no ano 2018, as pessoas votem ou não, segundo o pensamento de cada um. Então se trata do Concelho Indígena de Governo e a porta voz indígena percorrerem o México onde haja pessoas mexicanas para conseguir as assinaturas para registrar. Depois, fazer outra volta no percorrido para que a apoiem e votem pela indígena do CNI.

Como zapatistas, pensamos que, ao fazer esse percurso, o Concelho Indígena de Governo e sua porta-voz irão conhecer muitas dores e raivas que há no México e no mundo. Dores e raivas de pessoas indígenas, mas também de pessoas que não são indígenas, mas que também sofrem, mas resistem.

Então isso é o que se quer. Não se busca que uma mulher indígena do CNI seja presidenta, o que se quer é levar uma mensagem de luta e organização aos pobres do campo e da cidade do México e do mundo. Não é que levamos em conta que juntar as assinaturas ou ganhar a eleição é o que deu certo. Mas que dá certo quando se pode falar e escutar a quem nada fala nem escuta. Aí vamos ver se deu certo ou não, se muita gente vai conseguir força e esperança para organizar-se, resistir e rebelar-se.

Até onde se chega? Até onde decida o Congresso Nacional Indígena.

3– Depois, disseram e explicaram os pontos contra dessa proposta. Por exemplo:

.- vão nos criticar como zapatistas que somos, porque dissemos que não lutamos pelo Poder e agora queremos ter o Poder.

.- vão nos criticar que traímos nossa palavra de que não queremos cargos.

.- vão nos criticar que falamos mal dos partidos políticos, mas vamos fazer igual a isso que criticamos.

.- vão nos acusar de estarmos apoiando ao partido PRI7 porque vamos dividir os votos da esquerda e assim ganha a direita.

.- vão nos criticar que as mulheres indígenas não tem educação e não sabem falar espanhol.

.- vão nos menosprezar, dirão que os indígenas não temos bom pensamento para governar.

.- vão nos xingar muito e mal dizer a nós como indígenas que somos.

(Vejam, racistas e machistas: antes que começassem seus ataques, os indígenas zapatistas já sabíamos o que vocês iam dizer. E isso que nós que somos os tontos e ignorantes, e vocês são os muito inteligentes e sábios).

Nas assembleias participaram as companheiras e companheiros, falando outras coisas que podem ser pontos contra.

Por exemplo, falaram da segurança, que os governos podem fazer um ataque contra o Congresso Nacional Indígena e a candidata para que não ganhe; que os maus governos podem atacar-nos às comunidades zapatistas para que não apoiemos ao CNI; que farão armadilhas para que não avance a luta do CNI, porque os maus governos são ardilosos e traiçoeiros; que vão chegar os urubus políticos para ver o que podem tirar para si, em sua ganância individual, da luta dos povos indígenas; que há quem vai querer levar a luta dos povos indígenas por outro caminho; e outras coisas.

4.- Depois falaram os pontos a favor dessa proposta. Por exemplo:

.- serve para que a sociedade mexicana volte a ver e escutar aos povos índios do México, que agora já nem são mencionados.

.- serve para que se possa escutar e falar com indígenas de todo o México que não estão organizados e estão sendo destruídos pelos malditos capitalistas.

.- serve para que os indígenas voltem a ter orgulho e honra de serem indígenas, de sua cor, sua língua, sua cultura, sua arte, sua história.

.- serve para que as mulheres indígenas se levantem com sua própria voz e se organizem, assim como as mulheres zapatistas se levantaram e organizaram.

.- serve para explicar à gente de baixo sobre toda a destruição e mal que estão fazendo os malditos capitalistas.

.- serve ao Congresso Nacional Indígena, para que conheçam como é o modo do CNI e mais povos, nações, tribos e bairros indígenas entrem no CNI e se conheçam entre si como indígenas e vejam suas dores e suas forças.

.- serve como zapatistas que somos, porque assim podemos apoiar a nossos irmãos e irmãs indígenas de outras partes, para que sigam sua luta e possam viver com liberdade e dignidade.

.- serve para os povos zapatistas, porque assim mais gente conhecerá como é nossa história de luta e de como nos temos organizado, e se animar.

.- serve para os povos zapatistas porque assim aprendemos a organizar-nos já não apenas para ajudar-nos entre nós, mas também organizar-nos para apoiar a outros que lutam, como fizemos com os professores democráticos.

5.- Depois passou-se a pensar se essa proposta serve ao Congresso Nacional Indígena ou não serve.

6.- Depois passou-se a pensar se esta ideia nos serve como zapatistas que somos ou não nos serve.

7.- Depois passou-se a discutir se apoiamos ou não apoiamos essa proposta e, se resolver-se que sim, como não podemos apoiar como zapatistas que somos; e depois como podemos sim apoiar como zapatistas que somos.

Por exemplo, não podemos apoiar com as assinaturas porque os zapatistas não usam título de eleitor; tampouco podemos ser candidatas ou candidatos porque como zapatistas não lutamos pelo Poder; não podemos votar porque não usamos esse modo de votar, de jogar um papel em uma caixa, mas fazemos nossos acordos em assembleias onde todos participam e dizem sua palavra.

Mas podemos sim apoiar de outras formas, por exemplo: podemos apoiar explicando essa boa ideia e convencendo aos que usam o título, que o usem para apoiar à mulher indígena do CNI; podemos falar com as pessoas da cidade que nos apoiam como zapatistas para que também apoiem ao Concelho Indígena de Governo; podemos organizar-nos como coletivos e governos autônomos para conseguir algum dinheiro para apoiar ao CNI, para que possa viajar a todos os lados que precisar; podemos falar e convencer as pessoas da cidade para que também se organizem para conseguir dinheiro para o CNI; podemos explicar no México e no mundo como é que fazemos para governar-nos nós mesmos e assim vejam as pessoas de bom pensamento que, como indígenas, sabemos sim governar.

-*-

E, bom, também foi informado a todos os povos outro dos acordos do Quinto Congresso: que se, na consulta zapatista interna (e na de qualquer coletivo, organização, bairro, tribo, nação e povo originário do CNI) sair como resultado que não se apoie a proposta, que é uma má ideia e não se está de acordo, então o Congresso Nacional Indígena respeita essa decisão, ainda que a maioria diga que a apoia. Quer dizer, se segue fazendo parte do CNI. Ou seja, que não é a força, que quem não está de acordo tem que fazer o que decide a maioria. Ou seja, que se respeita a autonomia, os modos de cada qual.

Igual como se fazem nas comunidades indígenas zapatistas, não é que vai ficar mal visto ou ser expulso dos zapatistas quem pense diferente, mas vamos respeitar e levar em conta. Como é nas nossas assembleias comunitárias, que não é porque alguém está pensando o contrário do que disseram a maioria que o expulsamos, mas segue.

Como se pode ver, a consulta interna teve seu foco em se apoiava ou não o que resultara da consulta do CNI. Estes são os resultados:

Se consultaram várias dezenas de milhares de homens e mulheres zapatistas. Delas e deles, a imensa maioria se manifestou por apoiar a decisão a que chegou o CNI na medida de nossas possibilidades. Se manifestaram contra 52 compas (26 companheiras e 26 companheiros). Se manifestaram como “não sei”, ou “indecisos”, 65 compas (36 companheiras e 29 companheiros). As razões que deram aqueles que se manifestaram contra são diversas: desde o compa que disse “eu vou votar contra para ver se é verdade que me respeitam e não me expulsam dos zapatistas”; até aqueles que argumentaram que não iriam estar em seu povo e não queriam comprometer-se porque não iriam poder cumprir o trabalho que fosse decidido. Aqueles que se manifestaram indecisos disseram, entre outras coisas, que em vão se decide, pois ainda não se sabe o que vai dizer o CNI, que podem dizer que apoiam e o CNI dizer que não.

O QUE ESPERAR?

Compas:

Pronto, esta é a última parte. Obrigado a quem chegou até estas linhas… hem?… sim, claro, ficam pendências… sim… dúvidas, claro… perguntas, com certeza…, o que?… qual vai ser o resultado da consulta do CNI?… Querem um spoiler?… ok, ok, ok, deixem surpresa… Yá… que lhes diga a verdade, lá vai:

Lhes somos sinceros: não temos nem a mais remota ideia.

E é sério.

Já vimos antes como uma proposta vai se modelando com o trabalho da palavra no modo dos originários. Como se uma ideia não fosse mais que uma massa disforme de barro e mãos coletivas lhe vão dando forma, tamanho, cor, destino.

Assim, tal como vocês, estamos esperando.

Ainda que, por certo, nós zapatistas não esperamos o mesmo que vocês.

Vocês, cremos, estão esperando qual é o resultado e tudo vai se derivar daí.

Nós zapatistas estamos esperando o que vai acontecer depois, no dia depois. E já nos preparando para esse calendário.

Desde as montanhas do Sudeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Moisés. Subcomandante Insurgente Galeano.

México, novembro de 2016.

Do caderno de Anotações do Gato-Cão.

Não creiam que não me preparei para o caso em que, na consulta do CNI, saia que se rechaçou a proposta. Não, não me preocupa. Já tomei minhas providências. Por exemplo: já tenho um certificado médico de que estou na lista de espera para uma operação de mudança de sexo, assim como um trâmite de adoção com uma família indígena zapatista. Assim poderão dizer que tudo era uma jogada para ser eu o candidato… ok, ok, ok, a candidata à presidência da República.

Ah, minha perversidade é sublime, não?

Claro, com essa saída me arruinará a correspondência feminina. Oh, esperem, já não há correspondência, nem feminina nem não feminina. Ah, se tivesse redes sociais faria várias contas alternativas (não se façam de desentendidos, vocês mesmos o fazem) e me auto daria rt, follow e like, e também me auto trolaria, para que se visse que é tudo f-i-d-e-d-i-g-n-o. Quantas contas alternativas se podem fazer até chegar ao limite? Não se façam de desentendidos, com certeza que já o investigaram.

Em fim, já me ocorrerá algo.

Agora, se sair que foi aprovada, pois haverá que trabalhar para conseguir dinheiro. Então me porei em contato com oas companheiroas da Brigada Callejera8, que me separem uma esquina na La Meche. Não tem jeito, a rua é de quem a trabalha. Estou seguro que minha pançinha causará agitação… hem?… ok, ok, ok, minha pança… que?… bom, minha pançona… não lhes digo?, sim, que são maloras9, são.

O SupGaleano arrebentando várias cintas.

(não, obrigado, de verdade, não, não necessito que alguém venha me colocar um cinto… voooi, ei, mostre o seu verdadeiro eu claramente, ei, puro azar do sessentão, ei, por isso não oas querem os bem arrumados, ei… hem?… um reality show para conseguir dinheiro?… com Trump, Macri, Temer, Putin e Rajoy10 trocando nudes?… muito fraco… já não assistem essa televisão… melhor séries de TV em produção alternativa…sim, nos camelôs já está a nova temporada de Games of Thrones… sim, acaba que o Tyrion e o Snow são parentes da Dayanaris… como se diga, pois… sim, um dragão para cada um, uma mensagem de equidade… sim, no novo escudo se unem o leão, o lobo e o dragão… bom, sim, uma versão da Hidra… sim, como se unisse o grande capital financeiro, com o industrial e o comercial… sim, o sistema se recompõe e todos os de cima contentes, e os de baixo pro caralho… sim, mas estão vendo um final alternativo… sim, quando todo o grupo está agarrando a caneca para celebrar não sei o que, chega uma mulher indígena, caga no trono de ferro e, com um maçarico, o derrete … bom, estão vendo se lhe tiram o maçarico e lhe dão uma caixa de fósforos, para que demore, o suspense… sim, tem chance de outra temporada, dependendo de quantos fósforos leve… sim, aí acaba… pois, por causa do Brexit , os custos se foram às nuvens. E agora com o Trump, pior… O que? Não querem spoilers? Oh, pois, para que me convidam se já sabem como sou).

Dou fé.

Miau-guau.

Tradução: CLAZ

Notas:

[1] Documento místico-religioso do povo Maia guatemalteco.

[2] Referente ao partido de extrema direita mexicano – PAN – Partido da Ação Nacional.

[3] Apelido dado pelos zapatistas à Margarita Ester Zavala Gómez del Campo, politica e ex-primeira dama do México no período da presidência de Felipe Calderón Hinojosa (2006-2012), ambos do PAN. La Calderona já anunciou sua intenção de concorrer à presidência em 2018.

[4] Termo depreciativo utilizado para se referir ao subcomandante Galeano (anteriormente Marcos).

[5] Corrente do anarquismo mexicano referente às ideias dos irmãos Enrique e Ricardo Flores Mágon.

[6] Bebida de água, açúcar e farinha de milho batida.

[7] Partido Revolucionário Institucional. Partido conservador do atual presidente do México, Peña Nieto.

[8] Brigada Callejera de Apoyo a la Mujer. Organização apartidária que apoia as mulheres trabalhadoras sexuais e mulheres trabalhadoras sexuais transgênero.

[9] No folclore de Chiapas, um tipo de ser fantasmagórico em forma de mulher que atraia os homens às vezes se transformando em mulheres conhecidas. Ao prendê-la com um cinto encantado, ela se transforma em folhas secas.

[10] Respectivamente: próximo presidente dos USA do partido Republicano de direita; atual presidente da Argentina do partido de direita PRO; atual presidente empossado do partido de direita e resquício da ditadura PMDB; ex-KGB atual presidente quase vitalício da Rússia; primeiro ministro da Espanha do conservador partido PP.

Tradução CLAZ (https://claz.noblogs.org/post/2016/11/19/uma-historia-para-tratar-de-entender/)

QUE ESTREMEÇA EM SEUS CENTROS A TERRA

Para os povos do mundo
Para a imprensa livre
Para a Sexta Nacional e Internacional

Convocados pela comemoração do 20o aniversario do Congresso Nacional Indígena e da viva resistência dos povos, nações e tribos originários deste país México, das línguas amuzgo, binni-zaá, chinanteco, chol, chontal de Oaxaca, coca, náyeri, cuicateco, kumiai, lacandón, matlazinca, maya, mayo, mazahua, mazateco, mixe, mixteco, nahua, ñahñu, ñathô, popoluca, purépecha, rarámuri, tlapaneco, tojolabal, totonaco, triqui, tzeltal, tsotsil, wixárika, yaqui, zoque, chontal de Tabasco e irmãos aymara, catalán, mam, nasa, quiché y tacaná, dizemos com firmeza que nossa luta é abaixo e à esquerda, que somos anticapitalistas e que chegou o tempo dos povos, de fazer vibrar este país com o bater ancestral do coração de nossa mãe terra.

É assim que nos reunimos para celebrar a vida no Quinto Congresso Nacional Indígena, que ocorreu de 9 a 14 de outubro de 2016 no CIDECI-UNITIERRA, Chiapas, desde onde novamente nos damos conta da agudização da desapropriação e repressão incessantes há 524 anos em que os poderosos iniciaram uma guerra que tem como fim exterminar à nós que da terra somos e que, como seus filhos, não temos permitido sua destruição e morte para beneficiar a ambição capitalista que não conhece fim, apenas a destruição. A resistência por seguir construindo a vida hoje se faz palavra, aprendizagem e acordos.

Em nossos povos, nos construímos cada dia nas resistências por deter a tempestade e ofensiva capitalista que não cessa, mas apenas que se torna cada dia mais agressiva e tem-se convertido em uma ameaça civilizatória não apenas para os povos indígenas e campesinos, mas para os povos das cidades que devem também criar formas dignas e rebeldes para não serem assassinados, desapropriados, contaminados, adoecidos, escravizados, sequestrados ou desaparecidos. Desde nossas assembleias comunitárias, temos decidido, exercido e construído nosso destino desde tempos imemoráveis, pois que manter nossas formas de organização e defesa de nossa vida coletiva é possível unicamente por meio da rebeldia ante os maus governos, suas empresas e sua delinquência organizada.

Denunciamos que:
1. Ao Povo Coca, Jalisco, o empresário Guillermo Moreno Ibarra invadiu 12 hectáres de bosque na área rural conhecida como El Pandillo em aliança com as instituições agrarias, usando a criminalização dos que lutam, que levou 10 comuneros [1] a estarem sujeitos a julgamentos por 4 anos. O mau governo está invadindo a ilha de Mezcala, que é terra sagrada comunal, ao mesmo tempo que ignora o povo coca na legislação indígena estatal, com o objetivo de apagá-los da historia.
2. Os Povos Otomí Ñhañu, Ñathö, Hui hú, e Matlatzinca do Estado do México e Michoacán estão sendo agredidos através da imposição do mega projeto de construção da rodovia privada Toluca – Naucalpan e o trem interurbano, destruindo casas e lugares sagrados, compram consciências e fraudam as assembleias comunais com presença policial, além dos trapaceiros censos de comuneros que suplantam a voz de todo um povo, privatização e despojo de água e território no vulcão Xinantécatl, conhecido como el Nevado de Toluca, ao qual os maus governos retiram a proteção que eles mesmos lhe deram para entregá-los a empresas turísticas. Se sabe que por trás de todos estos projetos está o interesse pelo despojo da água e da vida na região. Na zona de Michoacán é negada a identidade ao povo otomí ao mesmo tempo que um grupo policial entrou na região para vigiar as colinas, proibindo os indígenas de subir e cortar madeira.
3. Os povos originários residentes na Cidade do México vem sendo despojados dos territórios que conquistaram para ganhar a vida trabalhando, roubando-lhes suas mercadorias e usando força policial. São despreciados e reprimidos por usar sua roupa e sua língua, além de serem criminalizados por os acusarem de vender droga.
4. O território de Pueblo Chontal de Oaxaca é invadido por concessões mineiras que desmantelam os terrenos comunais, o que afetará a 5 comunidades, sua gente e seus recursos naturais.
5. No Povo Maya Peninsular de Campeche, Yucatán e Quintana Roo, houve despojo de terras para a plantação de soja transgênica e palma africana, contaminação dos aquíferos por agroquímicos, construção de parques eólicos, parques solares, desenvolvimentos eco turístico e empresas imobiliárias. Mesmo assim, estão em resistência contra as altas tarifas de luz elétrica, o que tem atraído perseguições e ordens de apreensão. Em Calakmul, Campeche, 5 comunidades foram despojadas pela imposição de áreas naturais protegidas, pagos por serviços ambientais e retirada de carbono. Em Candelaria, Campeche, persiste a luta pela certeza na posse da terra. Nos 3 estados ocorre uma forte criminalização aqueles que defendem o território e os recursos naturais.
6. O Povo Maya de Chiapas, tzotzil, tzeltal, tojolabal, chol e lacandón continuam sendo despojados de seus territórios para a privatização dos recursos naturais, o que trouce encarceramentos e assassinatos daqueles que defendem o direito de permanecer em seu território. São discriminados e reprimidos constantemente quando se defendem e se organizam para seguir construindo sua autonomia, aumentando as violações aos direitos humanos a cargo de forças policiais. Existem campanhas de fragmentação e divisão dentro das organizações, assim como assassinatos de companheiros que tem defendido seu território e recursos naturais em San Sebastián Bachajón. Os maus governos seguem tratando de destruir a organização das comunidades bases de apoio do EZLN e nublar a esperança que delas emana e que oferece uma luz a todo o mundo.
7. O povo Mazateco de Oaxaca vem sendo invadido por propriedades privadas, que exploram o território e a cultura para o turismo, como a nomeação de Huautla de Jiménez como “Povo Mágico” para legalizar o despojo e a comercialização de saberes ancestrais, acompanhado de concessões mineiras e exploração de espeleólogos estrangeiros nas grutas existentes. O que impõem mediante uma crescente perseguição por parte do narcotráfico e da militarização do território. Os feminicídios e estupros das mulheres na região aumentam sempre junto com a cumplicidade omissa dos maus governos.
8. Os Povos Nahua e Totonaca de Veracruz e Puebla enfrentam as pulverizações aéreas, que produzem enfermidades a nossos povos. Há exploração e extração de minerais e hidrocarbonetos através do fracking e se encontram em perigo 8 bacias hidrográficas devido a novos projetos que contaminam os rios.
9. Os povos nahua e Popoluca do sul de Veracruz enfrentam o assédio da delinquência organizada e sofrem os riscos da destruição territorial e da desaparição como povo pela ameaça da mineração, dos eólicos e, sobre tudo, da extração de hidrocarbonetos mediante o fracking.
10. O Povo Nahua, que se encontra nos estados de Puebla, Tlaxcala, Veracruz, Morelos, Estado do México, Jalisco, Guerrero, Michoacán, San Luis Potosí e Cidade do México, enfrenta uma constante luta por conter o avanço do chamado Projeto Integral Morelos, que compreende gaseodutos, aquedutos e termoelétricas. Os maus governos, buscando deter a resistência e a comunicação dos povos, tenta despojar a rádio comunitária de Amiltzingo, Morelos. Ainda assim, a construção do Novo Aeroporto da Cidade do México e as obras complementares ameaçam os territórios circundantes ao lago de Texcoco e a Bacia do Valle de México, principalmente Atenco, Texcoco e Chimalhuacán. Enquanto isso, em Michoacán, o povo nahua enfrenta o roubo dos recursos naturais e minerais por parte de assassinos contratados acompanhados pela polícia ou exército e a militarização e paramilitarização de seus territórios. Tentar deter esta guerra tem custado o assassinato, perseguição, encarceramento e hostilização de líderes comunitários.
11. O Povo Zoque de Oaxaca e Chiapas enfrenta a invasão por concessões mineiras e supostas propriedades privadas em terras comunais na região dos Chimalapas; além de três hidroelétricas e a extração de hidrocarbonetos mediante fracking. Há corredores de gado e, por consequência, excessiva devastação dos bosques para pastagem. Também estão cultivando sementes transgênicas. Ao mesmo tempo, existem migrantes zoques em vários estados do país reconstituindo sua organização coletiva.
12. O Povo Amuzgo de Guerrero enfrenta o despojo de água do rio San Pedro para zonas residenciais e para o abastecimento da cidade de Ometepec. Sua rádio comunitária tem sido objeto de constante perseguição e hostilidade.
13. O Povo Rarámuri de Chihuahua sofre a perda de áreas de cultivo para a construção de estradas, do aeroporto em Creel e do gaseoduto que vem dos Estados Unidos até Chihuahua, além das mineradoras japonesas, as represas e o turismo.
14. O Povo Wixárika de Jalisco, Nayarit e Durango enfrenta a destruição e privatização de seus lugares sagrados, dos quais dependem todos os seus tecidos sociais, políticos e familiares; o despojo de suas terras comunais a favor de caciques, valendo-se das indefinições limítrofes entre os estados da República e campanhas de divisão orquestradas pelos maus governos.
15. O Povo Kumiai de Baja California segue lutando pela reconstituição de seus territórios ancestrais contra as invasões por particulares, a privatização de seus lugares sagrados e a invasão dos territórios por gaseodutos e autopistas.
16. O Povo Purépecha de Michoacán tem o problema de desflorestação, exercida pela cumplicidade entre os maus governos e os grupos narcoparamilitares, que saqueiam os bosques e a madeira. Para eles, a organização dos de debaixo nas comunidades é um obstáculo para o saqueio.
17. No povo Triqui de Oaxaca, a presença dos partidos políticos, empresas mineradoras, paramilitares e maus governos fomentam a desintegração dos tecidos comunitários para o saqueio dos recursos naturais.
18. No Povo Chinanteco de Oaxaca, destroem suas formas de organização comunitária com o repartição agrária, a imposição de pagamentos por serviços ambientais, a captura de carbono e o ecoturismo. A projeção de uma rodovia de 4 pistas atravessa o território e o divide. Nos rios Cajono e Usila, os maus governos tem projetadas três represas que afetarão aos povos chinantecos e zapotecos. Há concessões mineradoras e a exploração de poços de petróleo.
19. O Povo Náyeri de Nayarit enfrenta a invasão e destruição de seus territórios sagrados no local denominado Muxa Tena, no Rio San Pedro, mediante o projeto hidroelétrico Las Cruces.
20. O Povo Yaqui de Sonora mantêm a luta sagrada contra o gaseoduto que atravessará seu território e em defensa das águas do Rio Yaqui, que os maus governos decidem levar à cidade de Hermosillo, Sonora, ainda que contra sentenças judiciais e recursos internacionais que deixaram clara sua razão legal e legítima, valendo-se da criminalização e hostilidade de autoridades e porta-vozes da tribo Yaqui.
21. Os Povos Binizzá e Ikoot se organizam e se articulam para conter o avanço dos projetos eólicos, mineiros, hidroelétricos, barragens, gaseodutos e em especial a zona chamada Zona Econômica Especial do Istmo de Tehuantepec e de infraestrutura que ameaçam o território e a autonomia dos povos no Istmo de Tehuantepec, que são considerados como “talibãs” do meio ambiente e “talibãs” do direito indígena, conforme as palavras expressadas pela Associação Mexicana de Energia, ao referir-se à Assembleia Popular do Povo Juchiteco.
22. O Povo Mixteco de Oaxaca sofre o despojo de seu território agrário, afetando também seus usos e costumes mediante ameaças, mortes e encarceramentos, que buscam calar as vozes dos inconformados, promovendo grupos paramilitares armados pelos maus governos, como no caso de San Juan Mixtepec, Oaxaca.
23. Os povos Mixteco, Tlapaneco e Nahua da montanha e da costa de Guerrero enfrentam a imposição de megaprojetos de mineração apoiados pelo narcotráfico, seus paramilitares e os maus governos, que disputam os territórios dos povos originários.
24. O mau governo mexicano segue mentindo e tratando de ocultar sua podridão e responsabilidade absoluta no desaparecimento forçado dos 43 estudantes da escola normal rural Raúl Isidro Burgos de Ayotzinapa, Guerrero.
25. O Estado mantém sequestrados os companheiros Pedro Sánchez Berriozábal, Rómulo Arias Míreles, Teófilo Pérez González, Dominga González Martínez, Lorenzo Sánchez Berriozábal e Marco Antonio Pérez González da comunidade Nahua de San Pedro Tlanixco no Estado do México, o companheiro zapoteco da região Loxicha Álvaro Sebastián, os companheiros Emilio Jiménez Gómez e Esteban Gómez Jiménez, presos da comunidade de Bachajón, Chiapas, o companheiro Pablo López Álvarez e, mantendo em exílio, Raúl Gatica García e Juan Nicolás López, do Conselho Indígena e Popular de Oaxaca, Ricardo Flores Magón. Recentemente, um juiz sentenciou a 33 anos de prisão o companheiro Luis Fernando Sotelo por exigir a apresentação com vida dos 43 estudantes desaparecidos de Ayotzinapa, aos companheiros Samuel Ramírez Gálvez, Gonzalo Molina González e Arturo Campos Herrera da Coordenadoria Regional de Autoridades Comunitárias- PC. Além disso, mantém centenas de presos indígenas e não indígenas em todo o país por defenderem seus territórios e exigirem justiça.
26. No povo Mayo, o território ancestral está sendo ameaçado por projetos rodoviários para unir Topolobampo ao estado de Texas, Estados Unidos; ao mesmo tempo que se configuram ambiciosos projetos turísticos na Barranca del Cobre.
27. A nação Dakota está vendo seu território sagrado ser invadido e destruído por gaseodutos e oleodutos, e por isso mantêm um acampamento permanente para proteger o que é deles.

Por todo o anterior, reiteramos que o cuidado com a vida e a dignidade, ou seja, a resistência e a rebeldia desde abaixo e à esquerda, é nossa obrigação, a qual só podemos responder de forma coletiva. A rebeldia nós a construímos desde nossas pequenas assembleias em localidades que se juntam em grandes assembleias comunais, ejidales [2], em juntas de bom governo e em acordos enquanto povos, que nos unem sob uma identidade. Ao compartir, aprender e construir daquilo que somos o Congresso Nacional Indígena, nos vemos e sentimos em nossas dores, descontentamento e em nossos fundamentos ancestrais.
Para defender o que somos, nosso caminhar e aprendizagem vem se consolidando no fortalecimento nos espaços coletivos para tomar decisões, recorrendo a recursos jurídicos nacionais e internacionais, ações de resistência civil pacífica, deixando de lado os partidos políticos que só vem gerado morte, corrupção e compra de dignidades, tem-se feito alianças com diversos setores da sociedade civil, fazendo meios de comunicação próprios, polícias comunitárias e autodefesas, assembleias e concelhos populares, cooperativas, o exercício e defesa da medicina tradicional, o exercício e defesa da agricultura tradicional e ecológica, os rituais e cerimônias próprias para agradecer a mãe terra e seguir caminhando com ela e nela, a semeadura e defesa das sementes nativas, forúns, campanhas de difusão e atividades político culturais.
Esse é o poder que vem de baixo que nos tem mantidos vivos e é por ele que comemorar a resistência e rebeldia é também ratificar nossa decisão de seguirmos vivos construindo a esperança de um futuro possível unicamente sobre as ruínas do capitalismo.
Considerando que a ofensiva contra os povos não cessará, uma vez que pretendem fazê-la crescer até que se tenha acabado com o último rastro do que somos enquanto povos do campo e da cidade, portadores de profundos descontentamentos que desabrocham também em novas, diversas e criativas formas de resistências e de rebeldias, é que este Quinto Congresso Nacional Indígena determinou iniciar uma consulta em cada um dos nossos povos para desmontar desde abaixo o poder que os de cima nos impõem e que nos oferece um panorama de morte, violência, despojo e destruição.
Ante todo o anterior, nos declaramos em assembleia permanente e consultaremos em cada uma de nossas geografias, territórios e caminhos o acordo deste Quinto CNI para nomear um concelho indígena de governo, cuja palavra será materializada por uma mulher indígena, delegada do CNI como candidata independente que enfrente em nome do Congresso Nacional Indígena e do Exército Zapatista de Liberação Nacional o processo eleitoral do ano de 2018 para a presidência deste país.
Ratificamos que nossa luta não é pelo poder, não o buscamos; mas sim que chamaremos aos povos originários e a sociedade civil a organizar-nos para deter esta destruição, fortalecer-nos em nossas resistências e rebeldias, ou seja, na defesa da vida de cada pessoa, cada família, coletivo, comunidade ou bairro. De construir a paz e a justiça desde abaixo, desde onde somos o que somos.
É o tempo da dignidade rebelde, de construir uma nova nação por e para todas e todos, de fortalecer o poder do abaixo e à esquerda anticapitalista, de que paguem os culpados pela dor dos povos deste México multicolorido.

Por último, anunciamos a criação da página oficial do CNI www.congresonacionalindigena.org

Desde o CIDECI-UNITIERRA, Chiapas, outubro de 2016

Pela Reconstituição Integral de Nossos Povos
Nunca Mais um México sem Nós
Congresso Nacional Indígena
Exército Zapatista de Liberação Nacional

Tradução: CLAZ (https://claz.noblogs.org/post/2016/10/16/que-estremeca-em-seus-centros-a-terra/)

Notas dos tradutores:
[1] As pessoas que possuem e trabalham nas terras comunais.
[2] Terreno comunal. Sistema de distribuição e posse da terra que se institucionalizou depois da revolução mexicana, que consiste em outorgar um terreno a um grupo para seu uso.

COMUNICADO ZAPATISTA 26/07

EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL.

MÉXICO.

26 de Julho de 2016.

A@s participantes e assistentes do CompArte:

À Sexta Nacional e Internacional:

Companheiros, companheiras, companheiroas:

Apesar de não podermos repor os gastos para a alimentação e transporte de nossa comunidade artística, como zapatistas que somos, buscamos o modo para não apenas corresponder a@s criador@s que responderam ao nosso convite ao CompArte, mas também para fazê-los sentir de alguma forma o respeito e a admiração que seu trabalho artístico nos provoca.

Então comunicamos a decisão a qual chegamos:

Apresentaremos, ainda que em calendário e geografia diferentes, um pouco da criação artística que as zapatistas, os zapatistas preparamos para mostrar-lhes. As apresentações serão de acordo com o seguinte:

Caracol de Oventik: 29 de julho de 2016. Das 10:00 horas às 19:00 horas, horário nacional. Participam artist@s zapatistas dos povos originários tzotzil, zoque e tzeltal de Los Altos de Chiapas.

CIDECI, San Cristóbal de Las Casas: 30 de julho de 2016. Assistência de uma delegação zapatista como observadora-ouvinte ao CompArte.

Caracol de La Realidad: 3 de agosto de 2016. Das 09:00 do dia 3 à madrugada do 4 de agosto. Participam artist@s zapatistas dos povos originários tojolabal, tzeltal, tzotzil, mame e mestizo da zona Selva Fronteriza.

Caracol de La Garrucha: 6 de agosto de 2016. Das 09:00 do dia 6 à madrugada do 7 de agosto. Participam artist@s zapatistas dos povos originários tzeltal e tzotzil da zona Selva Tzeltal.

Caracol de Morelia: 9 de agosto de 2016. Celebração do 13º aniversário do nascimiento dos caracoles e juntas de bom governo zapatistas. Das 09:00 do dia 9 à madrugada do 10 de agosto. Participam artist@s zapatistas dos povos originários tojolabal e tzeltal da zona Tsots Choj.

Caracol de Roberto Barrios: 12 de agosto de 2016. Das 09:00 do dia 12 à madrugada do 13 de agosto de 2016. Participam artist@s zapatistas dos povos originários chol e tzeltal da zona Norte de Chiapas.

Para poder participar, é necessário seu crachá de registro do CompArte no CIDECI, e inscrever-se na mesa instalada para tal no CIDECI, a partir do dia 27 de julho de 2016 pela tarde. Atenção: levar em conta que aqui… bom, por todos os lados, é temporada de tormentas.

Sabemos que a imensa maioria não poderá assistir a todas as apresentações agora que o calendário e a geografia se expandiram. De repente sim, vocês que sabem. De qualquer forma, estejam ou não, nos apresentaremos considerando que estão presentes.

NÃO SE PERMITIRÁ O ACESSO ÀS MÍDIAS PAGAS (ainda que digam que também trabalham em meios que não são pagos).

As mídias compas, os seja, as mídias livres, autônomas, alternativas ou como se chamem serão bem-vindas, inclusive pelos Tercios Compas, porque aqui sim há solidariedade gremial.

-*-

Como zapatistas que somos e neste dia, reforçamos nosso apoio à demanda de verdade e justiça para Ayotzinapa e para tod@s @s desaparecid@s, que é mantida sem fraquejar pelas mães, pais, parentes e companheir@s dos ausentes. A tod@s el@s, a quem falta e a quem buscam, nosso melhor abraço. Sua dor é nossa dor e é nossa sua digna raiva.

Desde as montanhas do Sudeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Moisés. Subcomandante Insurgente Galeano.

México, julho de 2016.

Tradução: CLAZ (https://claz.noblogs.org/post/2016/07/29/comunicado-zapatista-2607/)

Carta aberta sobre a agressão ao movimento popular em San Cristóbal de las Casas, Chiapas

EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL.

MÉXICO.

21 de Julho de 2016.

A quem seja agora o governador em função e demais capatazes do estado de Chiapas no sudeste do México:

Damas (já) e Cavaleiros (duas vezes já):

Não recebam nossas saudações.

Antes que pensem em inventar (como já está fazendo a PGR em Nochixtlán, Oaxaca) que a covarde agressão contra o acampamento de resistência popular em San Cristóbal de Las Casas, Chiapas, foi orquestrada por ISIS, passamos a vocês, de graça, o informe que obtivemos:

As seguintes palavras são de um irmão indígena partidista (PRI) de San Juan Chamula, Chiapas, México:

“Às 9 da manhã (do dia 20 de julho de 2016) chamaram aos do Verde (Partido Verde Ecologista) à casa do governador. Ali regressaram e disse-lhes para fazer o que eles fizeram no outro dia.

(NOTA: se refere a quando um grupo de indígenas do Partido Verde Ecologista colocaram passa-montanhas¹ e foram fazer ataques no bloqueio de San Cristóbal e em Tuxtla Gutiérrez, capital de Chiapas. Quando foram detidos pela segurança da CNTE, primeiro disseram que eram zapatistas (não o eram, nem o são, nem o serão), mas logo disseram que são partidistas.

Mas que desta vez iriam dialogar, para que aqueles do bloqueio deixaram passar os caminhões dos xamãs que fazem comércio em Tuxla. O presidente municipal (do Verde Ecologista) colocou as patrulhas e a ambulância locais. No de San Cristóbal, outro tanto de polícia. Nos governos de Tuxtla, um bom tanto a mais. Por si mesmos fizeram um trato com os policiais, ou seja, tinham seu plano. E então chegaram como quem queria dialogar e um grupo se meteu no caminho e então começaram a quebrar tudo, a roubar e a queimar, ou seja, nos atacaram pelos dois lados. Logo, como traziam armas, porque os Verdes andam armados, se puseram a disparar como bêbados e drogados. E os policiais estavam como que os protegendo, ou seja, eram seu apoio. Isso que os verdes fizeram já não estamos de acordo. Porque por si mesmos agora os turistas tem medo de vir à cabecera (de San Juan Chamula) e isso prejudica a todos porque diminui muito o comercio. Não é o bloqueio, são os serviçais verdes que estão difamando tudo. Agora vamos protestar em Tuxtla para que retirem esse presidente que é tão imbecil. E, se não fazem caso, pois já irão ver como aqui nós fazemos.”

No que se refere a sua desajeitada manobra de encapuzar paramilitares para apresentá-los como zapatistas (além de ser a repetição de algo já usado antes pelos Croquetas Albores), é um total fracasso. Questionadas sobre se acreditavam que aqueles que haviam desalojado o bloqueio e feito ataques eram zapatistas, assim responderam duas pessoas do povo, sem filiação política conhecida:

Um comerciante ambulante, com idade aproximada de 60 anos, responde:

“Não! Os que fizeram aquelas destruições são gente paga pelo governo, disso sabemos. Não são os que apoiam os professores. Porque a luta dos professores é boa, se não, vamos terminar pagando a educação nós mesmos. E de onde tiram dinheiro para pagar os professores? Pois é do povo. O que falta é que pelo menos a maioria dos estados decidam entrar nessa, porque já há quatro estados que estão já postos, mas os demais não sabemos para quando.”

Uma indígena Chamula, comerciante ambulante, contesta:

“Nãããão!!! Não são eles, eles não se comportam assim! Eles (os zapatistas) sim estão apoiando aos professores e esses de ontem quiseram se fazer passar por eles, mas não são, só colocam seus passa-montanhas, mas não se portam igual.

– E quem era essa gente de ontem?
– São outros, foram pagos.
– E como você vê a luta dos professores?
– Pois estes sim precisamos apoiar”

-*-

Estamos seguros que vocês o ignoram (as idiotices que fazem é pela mesma razão, ou seja, por serem tontos), mas resulta que o assim chamado “conflito magisterial” surge pela estúpida prepotência do cinzento aspirante à polícia que todavia despacha na Secretaria de Educação Pública (SEP, nas siglas em espanhol, oh, de nada, não precisa agradecer). Depois das mobilizações e da resposta governamental a essas mobilizações com ameaças, demissões, agressões, cárceres e mortes, o magistério em resistência conseguiu que o governo federal se sentasse para dialogar. É, pois, um assunto federal. Corresponde ao governo federal e ao magistério em resistência dialogar e chegar ou não a acordos.

Vocês simpatizam com a teimosia da cinzenta polícia. Nós, zapatistas simpatizamos com as demandas do magistério e o respeitamos. E não somente com a CNTE, também e sobre tudo com o movimento popular que se levantou em torno de suas demandas. Como zapatistas que somos, temos feito pública nossa simpatia ao apoiá-los com, além de palavras, um pouco de alimento que pudemos juntar de nossas mesas.

Vocês creem que vão derrotar esse movimento, já popular, com ataques disfarçados de “indignação cidadã”? Pois já viram que não. Da mesma forma que os irmãos povos originários fizeram em Oaxaca, si os desalojam, se colocam de volta. Mais de uma vez. Porque aqui, nos de baixo, não existe cansaço. Seus patrões calcularam que o movimento do magistério em resistência iria desinflar no período das férias. Já viram que se equivocaram (mmh, já são mais de 3 falhas na avaliação, se tivessem aplicado a “reforma educativa” para eles já estariam despedidos, e buscando emprego em Iberdrola ao lado do psicopata).

O movimento não para de crescer e conquistar simpatias, enquanto vocês só convocam antipatias e repúdio.

Como apontamos há quase dois meses, o movimento já encorpa distintos setores sociais e, claro, suas demandas específicas. Por exemplo, vocês não estão sabendo, mas já pedem a destituição de Cancino (suposto presidente municipal de San Cristóbal de Las Casas, cidade que está, talvez vocês não saibam, no estado de Chiapas, México) e o encarceramento de Narciso, chefe paramilitar da ALMETRACH. Isso e outras coisas que demandam podemos resumir em apenas uma: bom governo. Não tardará que se deem conta de que vocês, tod@s, estorvam, que não são nada mais do que parasitas que adoecem a sociedade inteira, acima e abaixo?

Mas então vocês se sentem muito seguros e mandam seus cachorros roubar-lhes os poucos pertences dessas pessoas que estão se manifestando PACIFICAMENTE. Bom, pois então nós, zapatistas, voltaremos a juntar alimentos e os equipamentos que roubaram, e voltaremos a mandar para eles. Mais de uma vez.

No lugar de fazer a eles declarações ridículas (como a da negação do covarde ataque ao acampamento POPULAR em San Cristóbal), poderiam contribuir em algo à necessária diminuição da tensão para que esse diálogo e negociação siga de forma que determinem suas partes (que, os recordamos, é entre o Governo Federal e a Coordenadoria Nacional de Trabalhadores da Educação), fariam bem em amarrarem seus cachorros (chamados Marco Antonio, Domingo e Narciso). Apenas balancem um maço de dinheiro na frente deles e verão como obedecem.

E um conselho não pedido: não brinquem com fogo em San Juan Chamula, o descontento e a divisão que vocês estão fomentando com suas tonteiras dentro desse povo pode provocar um conflito interno cujo terror e destruição não se poderão tapar nem com bots em redes sociais, nem com inserções pagas, nem com o pouco dinheiro que Manuel Joffrey Velasco Baratheon-Lannister deixou na tesouraria estatal.

Então tranquilo. Paciência e respeito. Esperemos que o governo federal dialogue e negocie com seriedade e compromisso. Não apenas porque as demandas magisteriais são justas, também porque talvez esta seja uma das últimas vezes que terão com quem dialogar e negociar. Tamanha é a decomposição que vocês estão incentivando que, logo, não saberão nem a quem caluniar. Ademais, claro, não haverá nada no outro lado da mesa.

Entendido?

Então, vocês com suas sujeiras, quer dizer, com seu Photoshop, suas páginas em redes sociais, suas festas espalhafatosas, seus anúncios monumentais, suas revistas do coração, sua frivolidade de quem carece de inteligência.

Governar? Vamos, isso nem os meios de comunicação pagos já não acreditam!

Melhor colocarem-se lado e aprenderem, porque esta é Chiapas, e o chiapaneco é muito povo para um governo tão miserável.

-*-

A quem corresponda:

Como zapatistas que somos, é nossa convicção, e trabalhamos em consequência dela, que se devem respeitar as decisões, estratégicas e táticas, do movimento. E isto serve para todo o espectro político. Não é legítimo querer montar em um movimento para tratar de levá-lo para fora de sua lógica interna. Nem para freá-lo, nem para acelerá-lo. Se não, deixem claro que o que querem é usar esse movimento para seus fins e propósitos particulares. Se o disserem, talvez o movimento os siga, talvez não. Mas é mais sensato deixar claro ao movimento sobre o que se busca ali. Como querem dirigir se não respeitam às pessoas?

Nós, como zapatistas que somos, não vamos dizer à nossas professoras e professores atuais (@s da CNTE e os povos, bairros e colônias que apoiam) o que fazer ou o que não fazer. Isto deve estar bem claro a todas essas nobres pessoas que lutam: QUALQUER MOVIMENTO QUE O ZAPATISMO FAÇA NO QUE SE REFERE AO MOVIMENTO POPULAR EM CURSO (ou aos que surgirão depois) SERÁ ANUNCIADO PUBLICAMENTE COM ANTECEDÊNCIA e sempre respeitando seus tempos e modos. Tanto a Coordenadoria Nacional de Trabalhadores da Educação, como os movimentos de povos originários, colonias e bairros que apoiam ao magistério devem entender que, qualquer que seja sua decisão, seja sobre o rumo, o destino, os passos e a companhia que decidam, receberão nosso respeito e saudação.

Aqueles que se “disfarçarem” de zapatistas e gritarem coisas que envolvam a outr@s podem bem se divertir um pouco e ganhar uma medalhinha em seu curriculum, mas não deixa de ser falso e desonesto. Nós não nos levantamos para repartir junk food² roubada, sim por democracia, liberdade e justiça para tod@s. Se acreditam que é mais revolucionário e que ajuda mais ao movimento quebrar vidros e roubar comida que não alimenta, pois que o movimento analise e decida. Mas esclareçam que não são zapatistas. Não nos perturba nem irrita que nos digam que não entendemos o momento conjuntural, ou que não temos visão das vantagens eleitorais, ou que somos pequeno burgueses. Só nos interessa que essa professora, esse professor, essa senhora, esse senhor, esse jovem ou jóvena, sintam que aqui, nas montanhas do sudeste mexicano, há quem os queira, os respeita e os admira. Ainda que nas grandes estratégias eleitorais ou revolucionárias não entrem em jogo esses sentimentos.

Porque o magistério em resistência e, como se faz cada vez com mais frequência, o movimento popular que se encorpa em torno dele, enfrenta condições adversas muito difíceis. Não é justo que, em meio a tudo isto, tenham que superar não apenas barras, cassetetes, escudos, balas e, agora, paramilitares; também “conselhos”, “orientações”, e ordens “com-todo-o-respeito” indicando-os o que devem ou não fazer, avançar ou retroceder, os seja, pensar e decidir.

Nós, zapatistas, não os mandaremos junk food aos que lutam, apenas torradas de milho não transgênico, não roubadas, mas feitas com o trabalho de milhares de homens e mulheres que sabem que ser zapatista não é ocultar o rosto, mas mostrar o coração. Porque as torradas zapatistas, requentadas, aliviam a fome e estimulam a esperança. E isso não se consegue nas tendas de conveniência nem nos supermercados.

Desde as montanhas do Sudeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Moisés. Subcomandante Insurgente Galeano.

México, 21 de julho de 2016.

Tradução: CLAZ (https://claz.noblogs.org/post/2016/07/25/comunicado-zapatista-210716/#)

Notas d@s tradutor@s:

[1] Capuzes pretos usados pelos zapatistas.

[2] Aquilo que é servido como comida nas redes de lancherias estilo norte-americanas.

Carta a Luis Héctor Álvarez

EJÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL.
MÉXICO.
Novembro – Dezembro de 2012.

“Quase todos os homens preferem negar a verdade antes de enfrentar-se a ela.” Tyrion Lannister a Jon Snow.

“Se não tem nada que temer, um covarde não se distingue em nada de um valente. E todos cumprimos com nosso dever quando não nos custa nada. Nestes momentos,
seguir o caminho da honra nos parece muito simples. Mas na vida de todo homem, cedo ou tarde, chega um dia em que não é simples, e tem que eleger.” Mestre Aemon Targaryen a Jon Snow.

Para: Luis Héctor Álvarez Álvarez.
Em algum lugar de México (isso espero).

De: Subcomandante Insurgente Marcos.
Chiapas, México.

Senhor Álvarez…

Errr… Permita-me um momento, senhor Álvarez, esta parte é para explicar um pouco de onde vêm as epígrafes:

As citações são do livro: Canção de Gelo e Fogo. Tomo I: Jogo de Tronos. 1996. George R.R. Martin. A série televisiva Jogo de Tronos, que toma o nome do primeiro tomo da saga, não está nada mal (Peter Hayden Dinklage, quem dá imagem e voz a Tyrion Lannister, sobresai, paradoxicamente, por cima dos demais atores e atrizes; Jon Snow é interpretado por Kit Harington, e o Mestre Aemon Targaryen por Peter Vaughan) e as 2 primeiras temporadas se podem conseguir a módico preço com seu vendedor de dvd favorito (diga sim à pirataria).

O dvd que vi foi um presente involuntário do comércio informal no Eixo Central, México D.F., (a dizer, alguém o comprou aí e me mandou)… ups, o governo de “esquerda” do DF vai me aplicar o artigo 362, porque, aceitem-no, dá para tudo (seriam a inveja de Gustavo Díaz Ordaz… oh, oh, esse artigo foi proposto em 2002 pelo então chefe de governo do DF, Andrés Manuel López Obrador, e apoiado pela ALDF de maioria perredista… mmh… esta parte não a coloquem… não vão dizer que estou a serviço da direita… já vêem que sempre me preocupa em extremo o que se diz de mim.)

Um pouco pixelada a imagem, mas se vê e se escuta bem. Bom preço, me dizem; em todo caso, mais barato que pagar HBO, e sem a ansiedade de ter que esperar a semana seguinte para saber o quê passou com o pequeno Bran (Isaac Hempstead Wright), ou com a deslumbrante Daenerys Targaryen (Emilia Clarke).

Sem dúvida eu também os recomendaria ler os livros -sim, já sei que a moda sexenal não é ler livros e que é mais barato o gel para o cabelo-, mas uma vantagem é que pode-se tomar un curso de filosofia prática (ah, os paradoxos) com os diálogos de Tyrion Lannister (quem, segundo me dizen, é uma projeção literária do senhor George R. R. Martin). Outra vantagem é que podem “espalhar” (oo como se diga) a ==mansalva== em seus blogs favoritos. Mesmo que se ganhe a inimizade de muit@s, seus pontos (mesmo negativos) por postear subirão apreciavelmente. Isso sim, não abusem, porque se os ocorre dizer que em “Dança de Dragões”… ok… ok…ok… me calo… diga não ao espalhamento.

De nada.
Atentamente:
Marquitos Espalhador.

Agora sim:

Senhor Álvarez Álvarez:

A presente não é somente para reafirmar o que o silêncio multitudinário do 21 de dezembro deve ter deixado claro a você, à classe política e ao governo de Ação Nacional, em geral, e a Felipe Calderón Hinojosa em particular:

Fracassaram.

Oh, não há drama. Já outros governos já tinham tentado antes.. e seguirão tentando.

Mas, senhor Álvarez, seu fracasso não deve buscá-lo em nós, nem sequer no pouco professionalismo de seu nada inteligente serviço de inteligência (mesmo que agora saibam que foram e são uns sem-vergonha). Quem pensa que um zapatista, qualquer um de nós, acudiria a um governo de criminosos para pedir ajuda se estivesse doente? Quem pode pensar racionalmente que os zapatistas se levantaram por dinhero?

Somente a mentalidade de conquistador demodé (cujo melhor exemplo é Diego Fernández de Cevallos) que os inculcam em seu partido político, Ação Nacional, pode haver-lhes permitido tragar-se com entusiasmo essa roda de moinho.

E não se necessitava inteligência, senão minimamente ler os jornais ou escutar os noticiários de antes: os bandidos que se apresentarão diante de você como “amigos próximos ao Sup Marcos”, são os mesmos que simularam uma rendição e “entrega de armas” ao nefasto Croquetas Albores em 1998, simulando ser zapatistas, e que são alguns conhecidos comparsas que já não enganam ninguém… bem, a você sim. Quanto os tiraram? A diferença é que Croquetas sabia que era um tatro e pagou por ele (e para que os meios apresentassem o balneario do Jataté, fora da rodovia municipal de Ocosingo, como se fosse “na selva lacandona”), e a você não só o enganaram, mas até o colocou em um livro.

E não conformado com isso, convida você, na apresentação deste libro, a Felipe Calderón Hinojosa, bêbado de sangue e álcool, que não somente balbuciou incoêrencias, mas também distribuiu aos meios a versão estenográfica. Claro que os meios cobraram dobrado: não por publicá-la, mas por não publicá-la, posto que era patente o estado de ebriedade de quem proferiu essas palavras. Creio que agora é claro que Felipe Calderón Hinojosa mentiu até o último minuto e que é uma invençãon descarada o que assinala em seu último informe de governo. O único acercamento que teve seu governo com “representantes e enviados do EZLN” foi aquele de seus exércitos, polícias, juizes e paramilitares.

Mas, bem, agora já sabe, senhor Álvarez, o que é ser desprezado pelo que o implacável calendário viu.

Como os indígenas, xs idosos são desprezados. E como símbolo desse desprezo, vão as monedas das migalhas, ou, em seu caso, o afronto do engano, o insulto de ser ignorado, as chacotas às suas costas.

Mas há uma diferença, uma diferença pequena, mas dessas que fazem girar a roda da história: enquanto você pagou (com dinheiro que não era seu, seja dito) por ser burlado (e até fazer um livro); nós homens e mulheres, indígenas e zapatistas, castigamos seu desprezo com nosso silencioso e alargado andar.

Porque bem sabemos que também o vendem a idéia de que será recordado por sua luta pela democracia (em realidade, sua luta por poder, mas ali acima gostam de transtornar ambos os termos), mas não. Mesmo que pouco, poderia ser recordado por haver sido cúmplice (ou funcionário, dá no mesmo) do governo mais criminoso que, desde Porfirio Díaz, este país padeceu.

E aqui, em terras indígenas zapatistas, poderia ser lembrado como parte de um governo a mais que tratou de nos render (ou comprar, é o mismo) e, como foi evidente pelo estridente silêncio de São Cristóbal de Las Casas, Altamirano, Las Margaritas, Palenque e Ocosingo, um mais que fracassou.

Porque a classe política e aqueles que vivem de sua estupidez, haverão de apagar-se sem que ninguém os leve em conta (se por acaso, somente para agradecer que já não estorvem), e nada serão, como não sejam um número a mais na dilatada lista dos enganados pelo sonho de serem “históricos”.

E repare que não questionamos sua moralidade. É sabido que toda gangue de criminosos, como a que você serviu esses anos, busca a quem lhes dê um rosto amável e bondoso, com esse rosto uma cartada, ocultando sua identidade depredadora.

Creio que já o sabes senhor Álvarez, no topo de todo o espectro político, todos são iguais. Mesmo que algumas e alguns ingênu@s venham a descubrir até que padeçam a injustiça em carne própia, enquanto a ignoraram quando essa injustiça se repartia cotidianamente em outras geografias próximas ou longínquas.

Seus companheiros de partido, que lucraram com o sangue de inocentes, e agora lamentam que para o mercado houvera pessoas que pagaram-cobraram mas, todos, não são senão um bando de criminosos que feze faz grotescas contorsões ao desatinado ritmo que os meios lhes marcam.

Orgulha-se se haver sido parte de uma equipe com um quadrilheiro como Javier Lozano Alarcón, que teve que esconder-se no senado para não ser chamado a acertar contas com a justiça? Você sente-se bem por ter sido companheiro de Juan Francisco Molinar Horcasitas, um criminoso com as mãos manchadas de sangue de jovens?

E, mesmo que as vezes os paradoxos sejam cômicos, outras são trágicos.

Seu partido político, Ação Nacional, foi um dos que encabeçaram, desde o amanhecer de 1994, os gritos histéricos contra nós, pedindo que nos aniquilassem, porque ameaçávamos consumir o país em um banho de sangue. E resultou que foram vocês, tornados governo, aqueles que extenderam o terror, a angústia, a destruição e a morte a tpds os rincões do nosso já maltratado país.

E o que me diz quando os membros da bancada de seu partido (junto com a do PRI e do PRD), votaram contra os Acordos de San Andrés pelos quais você trabalhou, advertindo que esses acordos significavan a fragmentação do país. E foi seu partido, senhor Álvarez, quem entrega uma Nação em cacos.

Mas console-se, senhor Álvarez, o afã dos seus de passar à história será recompensado. Terão uma linha, talvez, entre os passados por trapaceiros.

Mas também nas páginas dos livros de história e geografia, nas escolas zapatistas, em um parágrafo se lerá:

“O mal governo de Felipe Calderón Hinojosa é conhecido como o que levou a morte absurda à todos os rincões do México, ofereceu à vítimas e algozes a injustiça, e deixou, como sangrento auto- homenagem o crime feito cogoverno, seu monumento. Se Porfirio Díaz deixou o Anjo da Independência, Felipe Calderón deixou a Estrela de Luz. Sem querer, ambos anunciaram assim o fim de um mundo, e mesmo que demore, demorará a enterder.”

Sugriro a você que agregue um epílogo a seu livro. Algo como: “Devo reconhecer que pode-se ser um péssimo aluno das comunidades indígenas zapatistas. Sem dúvida digo, depois de escutar seu estrondoso silêncio, que aprendi o principal: que não importa que usemos bombas, balas, coletes, golpes, mentiras, projetos, dinhero, que compremos os meios de comunicação de massa para que gritem falsidades e calem verdades, o resultado sempre é o mesmo: os zapatistas não ==claudicam==, não se vendem, não se rendem e… surrpresa!… não desaparecem”.

Porque a história, senhor Álvarez, seguirá repetindo-se uma e outra vez: reaparecerão rebeldes em todos os rincões e, talvez, com elas, aparecerão seus Marios Benedetti, seus Marios Payeras, seus Omares Cabezas, seus Carlos Montemayor. E talvez os Eduardos Galeano dessas chuvas os lhevarão ou não a dar-se conta.

E também haverá janelas, com ou sem marcos.

E você, senhor Álvarez, seguirá somando-se, olhando-nos sem nos ver, e sem dar-se conta de que, nesse somar-se ao mundo por vir, estão irremediavelmente fora.

Creio que não colocou em seu livro, mas recorde-se que uma vez lhe disse que os zapatistas valemos muito, mas não temos preço. E “não confunda valor e preço” (não, isto não foi dito por Carlos Marx, e sim Juan Manuel Serrat).

Sem dúvida, senhor Álvarez, recordando os momentos de firme dignidade que você teve, e dos quais fui testemunha quando trabalhou na Comissão de Concórdia e Pacificação, ainda pode mudar isso:

Deixe o seu partido e o que representa, abandone a essa classe política que não fez nada senão converter-se em um parasita insaciável. Você é de Chihuahua. Vá à Sierra Tarahumara, peça para entrar em uma das comunidades rarámuris. Talvez não lhes deixem ficar, já não está o íntimo amigo Ronco para preguntar-lhe. Mas talvez sim o deixem ficar alguns dias. Ali, com eles, aprenderá você o fundamental do coração indígena, da luta e esperança dos povs originários do México. Depois de tudo, não chama assim seu livro?

Vá senhor Álvarez Álvarez, a esse ou a qualquer povo indígena que o aceite depois de renunciar ao que é agora. Aí será respeitado (e não mal-tolerado) por sua idade e, sobretudo, aprenderá que para os povo índios do México, “dignidade” é um verbo que se conjuga no presente desde mais de 500 anos… e os que faltam.

Vá, talvez neste dia há de escolher. E em seu caso não é nada simples, porque se trata de eleger entre um mundo ou outro. Que não o detenha ou mal aconselhe a idade. Olhemos para nós, temos mais de 500 anos e ainda aprendemos.

Se não o faz, ao menos terá conhecido por si mesmo a verdade que está contida nas 17 sílabas deste Haiku de Mario Benedetti:

“Quem diria,
os débeis de verdade
nunca se rendem”

Vale. Saúde e escutou?… “há poucas coisas / tão ensurdecedoras / como o silêncio” (sim, também Haiku e também de Mario Benedetti).

Desde as montanhas do Sudoeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Marcos.
México, Dezembro de 2012.

:::::
Tradução para o português, flor da palavra.

Não @s conhecemos?

Tradução feita por: flor da palavra

Revisão: pendente

EJÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL. MÉXICO. 29 de Dezembro de 2012.

A quem corresponda lá em cima:

“Crêem que estão com o bando ganhador… assim que, além de traidores, são idiotas. ”
Tyrion Lannister em Canção de Gelo e Fogo. Tomo II: “Choque de Reis”. George R.R. Martin.

” —Um leitor vive mil vidas antes de morrer —disse Jojen—. Aquele que nunca lê vive somente uma.”
Jojen Reed em Canção de Gelo e Fuego. Tomo V: “Dança de Dragões”. George R.R. Martin. (Jojen Reed aparecerá na terceira temporada da série de HBO “Jogos de Tronos”. O personagem será interpretado por Thomas Brodie-Sangster. Nota elucidada por Marquitos Espalhador).

“—Se alguém desenha em si mesmo um alvo no peito —disse Tyrion depois de sentar-se e beber um gole de vinho— tem que ser consciência de que tarde ou cedo lhes vão a soltar flechas.”

“—A todos nos faz falta que nos enganemos, de vez em quando, Lord Mormont —replicou Tyrion encolhendo os ombros—. Ao contrário, começamos a nos tomar demasiadamente sérios.”
Tyrion Lannister con os mandatos de Guarda da Noite. Em “Canção de Gelo e Fogo”, Tomo I: “Jogo de Tronos”.

“Que se acabem os bonitos / mais vale feio e saboroso / que ser bonito e baboso”
Botellita de Jerez.

Damas e cavaleiros?

Quando vimos a nota pensamos que era uma inocente carta de 28 de dezembro, mas vimos que está datada o 24 do mesmo mês.

Será que não nos conhecemos? Mmh… mmh… vejamos:

Enrique Peña Nieto. Nasceu em Atlacomulco, Estado do México? Não é o parente de Alfredo Del Mazo e Arturo “mãs largas” Montiel?

Não é quem ditou, conluiado ao governo municipal perredista de Texcoco, a remoção dos floristas e a apreensão do dirigente da Frente dos Povos em Defesa da Tierra, Ignacio del Valle, em maio de 2006?

Não é quem lançou a seu cachorro de isca e delinquente, Wilfrido Robledo Madrid, para atacar o povoado de San Salvador Atenco e ordenou seus policiais à agressão sexual contra as mulheres? Não é o assassino intelectual de Javier Cortés e Alexis Benhumea? Não foi a Suprema Corte de Justiça da Nação a que ditou que os 3 níveis de governo (observem: governo federal: PAN; governo estatal: PRI; governo municipal: PRD) sim implicavam em violações graves às garantias individuais da população?

Não é quem fez um trágico ridículo com o caso da menina Paulette, mais conhecido como “o caso del colchão assassino”?

Não é quem de jactou da violência policíaca em San Salvador Atenco e com sua atitude soberba, esquecendo que estava frente a frente com jovens críticos e não um set de televisão, desde seu posto de comando localizado no banheiro da Ibero, ordenou caluniar aos incorfomados e detonou assim o
movimento juvenil-estudantil depois conhecido como #yosoy132?

Não é aquele que, como primeiro ato de governo, e agora em couio com o governo perredista do DF, ordenou a repressão contra as manifestações de 1 de dezembro deste ano e que derivou na detenção, tortura e encarcelamento de inocentes?

Não é aquele que não leu bem nem o teleprompter que o acompanha ainda antes do golpe de Estado midiático de 1 de julho de 2012?

Não é aquele quem agora quer esconder-se atrás das saias da suposta parentagem do reiterado defunto, como se de uma telenovela chinfrim se tratasse?

Ouçam, e já que estamos neste tema de telenovelas, qual será a moda moda sexenal? Digo, com Echeverría foram goiabas; com López Portillo, as águas frescas; com De la Madrid, o cinza rata; com Salinas de Gortari, o prozac; com Zedillo, os maus chistes; com Fox, as ocorrências; com Calderón, o sangue… e com Peña Nieto? ”Amores verdadeiros”? Fuiiii… já de plano.

Bem, perdão, sigamos com nosso desconhecimento:

Emilio Chuayffet Chemor. Não foi chefe de Enrique Peña Nieto e seu “mestre”? Não foi Secretário de Governo com Ernesto Zedillo? Não é o tontinho que, em 1996, disse à Cocopa que o governo federal aceitava sua iniciativa de lei e que na cruamente se retratou? Não foi um dos responsáveis intelectuais do massacre de Acteal em dezembro de 1997? Não foi o que quis impor a moda dos == “copetitos coquetos” ==entre os priístas e o único que o secundou foi o então pupilo Enrique Peña Nieto?

Pedro Joaquín Coldwell. Não era comissionado governamental para a paz em Chiapas quando ocurreu o massacre de Acteal e ficou calado e seguiu recebendo por não fazer nada?

Rosario Robles Berlanga. Não foi a chefa de governo do DF pelo PRD? Não se jactou da repressão que sua polícia empreendeu várias vezes contra os jovens estudantes da UNAM, na greve de 1999-2000? Não foi quem, presidindo o PRD, vendeu em todos os sentidos o seu partido? Não é agora a encarregada de brigar aos/às Bejarano com o corporativismo no DF e em toda a república?

Alfonso Navarrete Prida. Não foi quem encobriu primeiro o ajuste de contas do crime organizado que derivou no assassinato de Enrique Salinas de Gortari (psss, levam-se pesadamente entre vocês, hein?) e logo exonerou a Arturo “maõs largas” Montiel?

Miguel Ángel Osorio Chong. Não foi acusado de desviar fundos governamentais ao PRI? Não foi aberto na PGR uma averiguação prévia PGR/SIEDO/UEIDORPIFAM/185/2010 por vínculos com a organização criminosa “Los Zetas”? (Ah, mudança de estratégia no combate ao narcotráfico?)

(Ops, estou vendo agora que um dos irmãos da subsecretaria de Imigração, População e Assuntos Religiosos, da Secretaria de Governo a cargo do senhor Osorio Chong, não tem uma senão várias averiguações prévias -várias delas com o selo de “cancelada por ausência do indiciado”, logo outro selo de “sempre não está morto”, e logo outro de “pois resulta que sim está bem morto”, e assim… mmh… 18 vezes. O último selo de “capaz que por aí anda o condenado” é de 21 de dezembro de 2012, e uma nota escrita a mão que diz “ativação pendente, esperar indicações de CSG.”… mmh… o que será que quer dizer essas iniciais? Tambén mudaram o nome a PGR? Ao fim, avisem ao == tampiquenho == não?).

Claro, vocês me dirão que não, estas pessoam mandam, que em realidade é Carlos Salinas de Gortari quem dita à Enrique Peña Nieto o que deve-se fazer (ah!, o que seria deste país se não houvesse sido inventado o teleprompter?).

Ok, ok, ok. Carlos Salinas de Gortari. Não é aquele que saqueou como nenhum outro as riquezas nacionais durante seu mandato? (sim, já sei que todos são uns ladrões, mas digamos que há amadores e professionais). Não é aquele quem devastou o campo mexicano com suas reformas ao artigo constitucional 27? Não é aquele pelo qual amargamos o brinde de ano novo na madrugada de 1994? Não é quem viu destroçados seus sonhos ditatoriais por uns rifles de madeira? Não é quem mandou assassinar a Luis Donaldo Colosio Murrieta? Não é quem fez o ridículo com sua greve de fome em 1995? Não é quem, no último 21 de dezembro, perguntaca frenético pelo telefono vermelho: “Que dizem?, que dizem?” e quem sentiu um calafrio em suas costas quando o responderam: “nada, estão em absoluto silêncio”?

Tod@s vocês, não são o/as que sempre optaram pela violência por cima do diálogo?

Aquel@s que sempre recorrem à força quando não têm razão?

Aquel@s que fizeram escola de corrupção e ruindade em todos os partidos políticos?

Não são os que têm se negado a cumprir os Acordos de San Andrés que significariam o reconhecimento constitucional dos direitos e as culturas indígenas, e acabariam com as remoções disfarçadas de mineradoras, aquadutos, presas, balneários, rodovias, fracionamentos?

Não são vocês quem, junto com seus companheir@s da classe política, se parecem a esses assessores de segurança que, nos grandes edifícios, tratam de convencer aos inquilinos dos andares medianos, altos e a cobertura, de que não correm perigo enquanto dinamitan os pisos abaixo, a planta baixa e o sotão? Por certo, há alguém que acredite?

Vocês, que tantas vezes me mataram, declaram morto, extinto, defunto, finado, cadáver, desaparecido, derrotado, vencido, rendido, comprado, aniquilado, pensam que alguém vai acreditar em vocês quando seja verdade que, como no amor, em corpo e alma me entreguei à morte e seja só um pouco mais de terra na terra?

Se responderam “não” a qualquer das perguntas, então têm razão: não os conhecemos.

Desde as montanhas do Sudoeste Mexicano.

Subcomandante Insurgente Marcos.
México, Dezembro de 2012.

P.D. QUE REITERA.- Já sei que já sabem, mas convém que o recordem: não temos medo de vocês. Ah, e não somos os únicos.

P.D. QUE, GENEROSA, OFERECE AOS MAUS GOVERNOS UM MANUAL DE 10 PASSOS (observem: de fácil leitura, não espantem-se), PARA IDENTIFICAR A UM/A ZAPATISTA E SABER SE PODE DIZER OU NÃO QUE “SE TÊM CONTATOS COM O EZLN”:

1.- Se pede dinheiro ou projetos a qualquer dos 3 níveis de governo, NÃO É ZAPATISTA.
2.- Se estabelece um canal de comunicação direto sem anunciá-lo antes publicamente, NÃO É ZAPATISTA.
3.- Se pede para falar ou fala diretamente com qualquer dos 3 níveis de governo sem anunciá-lo antes publicamente, NÃO É ZAPATISTA.
4.- Se quer um cargo, nomeação, homenagens, prêmios, etc., NÃO É ZAPATISTA.
5.- Se tem medo, NÃO É ZAPATISTA.
6.- Se vende a si mesm@, rende-se ou submete-se, NÃO É ZAPATISTA.
7.- Se toma a si mesm@ muito a sério, NÃO É ZAPATISTA.
8.- Se não provoca calafrios ao vê-l@, NÃO É ZAPATISTA,
9.- Se não dá a sensação de que diz mais com o que cala, NÃO É ZAPATISTA.
10.- Se é um fantasma dos que se desvanecem, NÃO É ZAPATISTA.

P.D. QUE SE DESCULPA.- Oh, sei que esperavam algo mais sério e formal. Mas, não é o estilo e tom desta missiva melhor “prova de vida” que uma foto ou um vídeo, até mais que a assinatura?

A P.D. LHE ENTREGA UM HAIKU DE MARIO BENDETTI AO SUPMARCOS: “não quero ver-te / pelo resto do ano / ou seja até a terça”.

::::
Tradução para o português, flor da palavra.

EZLN ANUNCIA SEUS SEGUINTES PASSOS. COMUNICADO DE 30 DE DEZEMBRO DE 2012

COMUNICADO DO COMITÊ CLANDESTINO REVOLUCIONÁRIO INDÍGENA – COMANDO GERAL DO EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL
MÉXICO.

30 de dezembro de 2012
Ao povo do México:
Aos povos e governos do mundo:
Irmãos e irmãs:
Companheiros e companheiras:

No último 21 de dezembro de 2012, durante a madrugada, dezenas de milhares de indígenas Zapatistas nos mobilizamos e tomamos, pacificamente e em silêncio, 5 cabeceiras municipais no sudeste do estado mexicano de Chiapas.

Nas cidades de Palenque, Altamirano, Las Margaritas, Ocosingo e San Cristóbal de Las Casas, os olhamos e nos olhamos a nós mesmos em silêncio.
Não é mensagem de resignação.
Não o é de guerra, de morte e de destruição.
Nossa mensagem é de luta e resistência.

Depois do golpe de estado midiático que encobriu no poder executivo federal a ignorância dissimulada e pior maquiada, nos fizemos presentes para lhes fazer saber que se eles nunca se foram, nós também não.
Há 6 anos, um segmento da classe política e intelectual foi buscar um responsável por sua derrota. Naquele tempo nós estávamos, nas cidades e comunidades, lutando por justiça para uma Atenco que não estava na moda.

Nesse ontem, nos caluniaram primeiro e quiseram calar-nos depois.

Incapazes e desonestos para ver que em si mesmos tinham e tem a levedura de sua ruína, pretenderam nos
desaparecer com a mentira e o silêncio cúmplice.

Seis anos depois, duas coisas ficaram claras:
Eles não nos necessitam para fracassar.
Nós não os necessitamos para sobreviver.
Nós que nunca nos fomos ainda que assim tenham se empenhado em fazer acreditar a mídia de todo espectro, ressurgimos como indígenas Zapatistas que somos e seremos.

Durante estes anos temos nos fortalecido e melhorado significativamente nossas condições de vida. Nosso nível de vida é superior ao das comunidades indígenas aliadas aos governos vigentes, que recebem as esmolas e as desperdiçam com álcool e artigos inúteis.

Nossas moradias melhoram sem castigar a natureza impondo-lhe caminhos que lhe são alheios.

Em nossos povoados, a terra que antes era para engordar o gado de latifundiários e fazendeiros, agora é para o milho, o feijão e as verduras que iluminam nossas mesas.

Nosso trabalho recebe a satisfação dupla de nos prover o necessário para viver honradamente, e para contribuir com o crescimento coletivo de nossas comunidades.

Nossos filhos e filhas vão a uma escola que os ensina sua própria história, a de sua pátria e a do mundo, assim como as ciências e as técnicas necessárias para engrandecer-se sem deixar de ser indígenas.
As mulheres indígenas zapatistas não são vendidas como mercadorias.

Os indígenas priístas* vão aos nossos hospitais, clínicas e laboratórios porque nos do governo não há remédios, nem equipamentos, nem médicos nem pessoal qualificado.

Nossa cultura floresce, não ilhada e sim enriquecida pelo contato com as culturas de outros povos do México e do mundo.

Governamos e nos governamos nós mesmo, buscando sempre primeiro o acordo antes que o confronto.
Tudo isso foi conseguido não somente sem o governo, a classe política e meios que os acompanham, mas também resistindo aos seus ataques de todo tipo.

Temos demonstrado, uma vez mais, que somos quem somos.

Com nosso silêncio nos fizemos presentes.

Agora com nossa palavra anunciamos que:

PRIMEIRO.- Reafirmaremos e consolidaremos nosso pertencimento ao Congresso Nacional Indígena, espaço de encontro com os povos originários de nosso país.

SEGUNDO.- Retomaremos o contato com nossos companheiros e companheiras aderentes à Sexta Declaração da Selva Lacandona no México e no mundo.

TERCERO.- Tentaremos construir as pontes necessárias junto aos movimentos sociais que já surgiram e surgirão, não para dirigir ou suplantar, mas para aprender com eles, sua história, seus caminhos e destinos.

Para isso temos contado com o apoio de indivíduos e grupos em diferentes partes do México, formados como equipes de apoio das Comissões Sexta e Internacional do EZLN, de modo que se convertam em linhas de comunicação entre as bases de apoio zapatistas e os indivíduos, grupos e coletivos aderentes à Sexta Declaração, no México e no mundo, que ainda mantém sua convicção e compromisso com a construção de uma alternativa não institucional de esquerda.

QUARTO.- Seguirá nossa distância crítica frente à classe política mexicana que, em seu conjunto, não fez se não lucrar às custas das necessidades e das esperanças da gente humilde e simples.

QUINTO.- Aos maus governos federais, estatais e municipais, executivos, legislativos e judiciais, e meios que os acompanham dizemos o seguinte:

Os maus governos de todo o espectro político, sem exceção alguma, têm feito todo o possível para destruir-nos, para comprar-nos, para render-nos. PRI, PAN, PRD, PVEM, PT, CC e o futuro partido de RN, nos tem atacado militar, política, social e ideologicamente.

Os grandes meios de comunicação tentaram nos ocultar, com a calúnia servil e oportunista primeiro, com o silênciodissimuladoe cúmplice depois. A quem serviram e de cujo dinheiro se amamentaram já não estão. E aqueles que agora os relevam não durarão mais que seus antecessores.

Como ficou evidente no dia 21 de dezembro, todos fracassaram.

Cabe então ao governo federal, executivo, legislativo e judiciário, decidir se continua a política contra-insurgente que somente conseguiu uma inconsistente simulação torpemente sustentada no manejo midiático ou reconhece e cumpre seus compromissos elevando a nível constitucional os direitos e a cultura indígenas, tal e como estabelecem os chamados “Acordos de San Andrés”, assinados pelo governo federal em 1996, encabeçado então pelo mesmo partido agora no executivo.

Cabe ao governo estatal decidir se continua a estratégia desonesta e infame de seu antecessor, que além de corrupto e mentiroso, ocupou dinheiro do povo de Chiapas para o enriquecimento próprio e de seus cúmplices, e se dedicou à compra descarada de vozes e penas nos meios, enquanto deixava o povo de Chiapas na miséria, ao mesmo tempo que fazia uso de policiais e paramilitares para tratar de frear o avanço organizativo dos povos zapatistas; ou, em troca, com verdade e justiça, aceita e respeita nossa existência e reconhece que floresce uma nova forma de vida social em Território Zapatista, Chiapas, México. Florescimento que atrai a atenção de pessoas honestas em todo o planeta.

Cabe aos governos municipais decidirem se continuarão se deixando enganar** pelas organizações antizapatistas ou supostamente “zapatistas” que os extorquem para, em seguida, agredir nossas comunidades; ou usam esse dinheiro para melhorar as condições de vida de seus governados.
Cabe ao povo do México que se organiza em formas de luta eleitoral e resiste, decidir se segue vendo em nós os inimigos ou rivais em quem descarregar sua frustração pelas fraudes e agressões que, ao final, todos padecemos, e se em sua luta pelo poder continuam aliando-se com nossos perseguidores; ou reconhecem em nós outra forma de fazer política.

SEXTO.- Nos próximos dias o EZLN, através de suas comissões Sexta e Internacional, dará a conhecer uma série de iniciativas, de caráter civil e pacífico, para seguir caminhando junto aos outros povos originários do México e de todo o continente, e junto a quem, no México e no mundo inteiro, resistem e lutam abaixo e a esquerda.

Irmãos e Irmãs:
Companheiros e companheiras:

Antes pudemos contar com uma atenção honesta e nobre de diversos meios de comunicação. Os agradecemos portanto. Mas isto foi completamente apagado com sua atitude posterior.

Aqueles que apostaram que só existíamos midiaticamente e que, com o cerco de mentiras e silêncio, desapareceríamos, se equivocaram.

Quando não haviam câmeras, microfones, canetas, ouvidos e olhares, existíamos.

Quando nos caluniaram, existíamos.

Quando nos silenciaram, existíamos.

E aqui estamos, existindo.

Nosso caminhar, como temos mostrado, não depende do impacto midiático, e sim da compreensão do mundo e de suas partes, da sabedoria indígena que rege nosso passos, da decisão inquebrável que dá a dignidade de abaixo e à esquerda.

A partir de agora, nossa palavra começará a ser seletiva com seu destinatário e, salvo em contadas ocasiões, somente poderá ser compreendida por quem conosco caminhou e caminha, sem render-se às modas midiáticas e conjunturais.

Aqui, com não poucos erros e muitas dificuldades, já é realidade outra forma de fazer política.
Poucos, pouquíssimos, terão o privilégio de conhecê-la e aprender com ela diretamente.

Há 19 anos os surpreendemos tomando com fogo e sangue suas cidades. Agora o fizemos de novo, sem armas, sem morte, sem destruição.

Nos diferenciamos assim de quem, durante seus governos, repartiram e repartem a morte entre seus governados.

Somos os mesmos de 500 anos, de 44 anos, de 30 anos, de 20 anos, de apenas uns dias.
Somos os zapatistas, os menores, os que vivem, lutam e morrem no último rincão da pátria, os que não vacilam, os que não se vendem, os que não se rendem.

Irmãos e irmãs:
Companheiras e Companheiros:
Somos @s zapatistas, recebam nosso abraço.

Democracia!
Liberdade!
Justiça!

Desde as montanhas do sudeste mexicano.

Pelo Comitê Clandestino Revolucionário Indígena – Comando Geral do Exército Zapatista de Libertação Nacional

Subcomandante Insurgente Marcos.
México. Dezembro de 2012 – Janeiro de 2013.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
* indígenas priístas: indígenas afiliados ao partido PRI
** “tragando las ruedas de molino”: tragar é uma expressão utilizada para expressões como “crer ingenuamente em algo”; “tragando las ruedas de molino” apareceria como “sucumbir facilmente a um engano”. (Nota da tradução)